Este site está em novo endereço: visite www.liaamancio.com.br para novidades e updates!

segunda-feira, janeiro 13, 2003

Stayin' Alive
2003 começou com a bruxa solta. Depois de Jorge Lafond, foi a vez de Maurice Gibb, dos Bee Gees, o que faz com que o refrão de "Stayin' Alive" ganhe um significado mais, ahn, sarcástico. Tudo bem. O que importa é a dancinha do Travolta mesmo.
* * *
"Repita comigo: James Blond não existe!"**
**professora do Bacana, num episódio de Armação Ilimitada que meu pai ainda tem gravado
Ninguém pode posar de intelectual alternativete 100% do tempo. Cansa. Além do mais, pode falar o que quiser, xingar de "entretenimento puro", "filme-pipoca", "ah, é isso aí, né, é um filme de ação", "pro que é, é legal", mas o novo do James Bond está maravilhoso.
Não tem esse pessoal que não pode ver um peido do Tolkien que já acha foda? (ai, provocação barata)
Então. Eu sou fã de James Bond e acho que ele enfim voltou à boa forma.
Primeiro que "Die Another Day", dirigido por Lee Tamahori, já começa com a música homônima da minha ídala suprema de todos os tempos, aquela de quem tenho a coleção completa-menos-o-Evita, Madonna. Cara, se eu resolvi aprender inglês, foi graça ao True Blue. Me reergo de pés na bunda (muitos, muitos) ao som de suas canções. Tomei aulas de dança por causa dela. Se hoje me visto assim, são resquícios da minha época Madonna-wannabe. Enfim. Adrenalina pura. Nada mal para continuar a tradição de "músicas-tema maravilhosas para James Bond".
Então temos Pierce Brosnan, a tradução completa do agente com licença para matar (lembra do George Lazenby? Começou A Serviço de Sua Majestade e foi parar em EMANUELLE!!!). Brosnan é o melhor desde Sean Connery - charmosão, sorrisinho cínico, um equipamento de primeira - me refiro ao Aston-Martin invisível, ao relógio-bomba e ao anel supersônico, mas se você tiver a mente poluída, pode pensar o que quiser do tal equipamento. Sim, o cara está meio coroa, ok. Mas quem precisa de um físico perfeito com aquele sorriso e aquela máquina potente (estou falando do carro, seus pervertidos)?
Temos Jinx, a Bond Girl interpretada por Hale Berry, com aquele biquinão à la Ursula Andress - ok, ela não é a Ursula Andress, mas faz bonito no teste da areia. E ela tem quadris, coisa que a Bond Girl de "Casino Royale" não tinha.
Temos um vilão com um defeito físico causado pela ciência - e mais não posso contar - com planos estelares (heh) de dominação do mundo, problemas familiares e de ego, ajudantes esquisitões.. perfeito.
Temos Q, temos a srta. Moneypenny, temos todos os personagens a que temos direito. Temos o refinado humor britânico e uns trocadilhos infames de fazer Pedro Giglio se morder de inveja. E temos AÇÃO. São seqüências de ação tão emocionantes quanto absurdas - e, te juro, quanto mais absurda a situação de James Bond, mais eletrizante a cena fica. Você esquece sua condição de "crítico de arte sabe-tudo" e não consegue levantar nem pra fazer xixi.
Você pode conferir a criação de sir Ian fleming (não confundir com Alexander Fleming, inventor da penicilina) aqui, nesse site completíssimo. Mas eu recomendo a ida ao cinema com tela IMAX mais próximo de sua residência.
* * *
Aliás, jamais confunda Timothy Dalton com Roger Daltrey. Eu fiz isso durante um lapso de memória..
* * *
Que o toilette é a área de melhor acústica da casa, ninguém contesta. De João Gilberto a Laika, a casinha é a área escolhida para gravações caseiras. É onde todos nós achamos que somos cantores, e em nossos momentos de concentração, ouvimos tudo o que os outros apartamentos do prédio (considerando que você mora em um prédio de apartamentos) fazem ou deixam de fazer.
E, bem, foi no banheiro daqui de casa que ouvi um celular que tocava "Odara". Quase chorei de desgosto. "Odara" não, entende?
* * *
Hoje não tem presente de dois anos não. Culpa de "Odara". Mas amanhã tem. Uh.

Nenhum comentário:

Este site está em novo endereço: visite www.liaamancio.com.br para novidades e updates!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...