Este site está em novo endereço: visite www.liaamancio.com.br para novidades e updates!

quinta-feira, dezembro 29, 2011

Brenfa Songs

Antes de mais nada, não custa fazer um pequeno disclaimer: não fumo maconha. Ponto. É óbvio que já fumei, sou pró e defendo a legalização (gente, um sujeito bêbado pode ser muito mais nocivo à sociedade e álcool é liberado!), mas a cannabis não faz a minha cabeça. Em compensação, esses jazzinhos dos anos 30 e 40 inspirados pela brenfa foram a grande descoberta do ano, sem dúvida. Credito a descoberta ao Cid, que pesquisando sei lá o que (poderia ser 'reefer song'?) pela Lil Green, uma dessas incríveis vozes femininas de jazz e blues da antiguidade, deu de cara com um álbum inteiro no Grooveshark só com o fino (sem trocadilho) do jazz.

O disco (duplo, aliás) chama-se 'Dope & Glory' e, ao contrário do que se imagina ('músicas para viajaaaaaar'? NAH!), é altamente dançante, altos swings, dá pra fazer um bailão inteiro com ele e ninguém vai ficar parado um momento: Ella Fitzgerald cantando 'When I get low, I get high'? TEM. Cab Calloway e seu clássico 'Reefer Man'? TEM. A DEUSA (sorry, Ella, mas Julia Lee bate um bolão!) Julia Lee & Her Boyfriends com a ótima 'Spinach Song (I Didn't like it The First Time)'? TEEEEM. SLIM & SLAM? TEEEEEEEEEM! Louis Armstrong, Nat King Cole Trio, Big Bill Broonzy, Tommy Dorsey, Lil Green, Benny Goodman e Fats Waller? TEM.

Se é liberdade poética ou se todo mundo era mesmo chegado num tchose, não sei - o fato é que isso é disco pra ninguém ficar parado, só a diretoria do jazz, os reis do swing e, CARA, Slim Gaillard & Slam Stewart! Algumas das músicas mais dançantes e divertidas do universo foram feitas por esses caras.

Não, você não vai achar esse disco pra comprar no Brasil. Adoraria tê-lo obtido pelas vias legais, mas foi impossível. De qualquer forma, está disponível no Grooveshark, no Soulseek ou no torrent/blog de pérolas musicais de sua preferência. O Google ajuda, o nome do disco é "Dope & Glory" e são 2, hein? Disco 1 e Disco 2. Começa a corrida por ele, 1, 2, 3 e já. Vai por mim que vale a pena. Seguem umas palhinhas para vosso deleite:

Ella Fitzgerald - 'When I get low, I get high'
http://www.youtube.com/watch?v=cjsPHDJPGto

Cab Calloway - Reefer Man

http://www.youtube.com/watch?v=D44pyeEvhcQ 


Slim & Slam - Dopey Joe

http://www.youtube.com/watch?v=BAkACz9qgac

Last but not least, talvez você reconheça essa aqui de algum lugar: Harlem Hamfats - Weed Smokers Dream

http://www.youtube.com/watch?v=uyjW8FTGxbI

Qualquer semelhança com 'Why don't you do right' (Jessica Rabbit, lembra?) não é mera coincidência: 'Weed Smokers Dream (why don't you do now)' é MESMO a original que, proibidona, precisou ter sua letra completamente alterada.

Porque Lounge é, acima de tudo, cultura.

quinta-feira, dezembro 22, 2011

'Dance the night away' deathmatch

'Dance the night away' e 'Dance the night away' são duas músicas muito diferentes. Muito. A do Mavericks está MUITO longe de ser cover ou versão da do Van Halen, embora tenham esse sugestivo nome em comum.

A do Mavericks me inspira realmente a dançar a noite toda, a festejar, a tomar uma piña colada e rodopiar pelo salão conduzida pelo meu cavalheiro. Mas a do Van Halen... a do Van Halen é incrível. O refrão é TÃO singalong, a energia dos caras tocando é TÃO mais contagiante (pelo menos na época em que a música foi lançada)... é uma dança diferente, né? Mas também me inspira - de um salão para uma pista de dança ou um palco é um pulo.


Acho que voto na do Van Halen, mas deixo a decisão para vocês, leitores: qual é a melhor 'Dance the night away'? Qual das duas te inspira mais a dançar noite adentro?

Mavericks - 'Dance the night away'


http://www.youtube.com/watch?v=M81ph3BslqQ&ob=av2n

X

Van Halen - 'Dance the night away'


http://www.youtube.com/watch?v=MEvpreZcAfI




quarta-feira, dezembro 21, 2011

É tipo um gelo, só que quente

É isso aí mesmo: umas pedrinhas termodinâmicas pra deixar o café (e o chá, e outras bebidas quentes) na temperatura adequada. Ah, se eu tivesse descoberto as Joulies enquanto ainda eram um projeto no kickstarter!



Acho digníssimo. Curti. E cobicei.

Achei aqui, no Springwise. Site oficial do produto/sonho de consumo: http://www.joulies.com/



quinta-feira, dezembro 08, 2011

O filme novo dos Muppets

Sim. Choramos, rimos, cantarolamos juntos, ficamos meio putos com a dublagem (KERMIT? o nome dele é CACO!), nos identificamos com os personagens, choramos mais um pouco, cantamos Mahna-mahna. O filme dos Muppets, esse novo escrito pelo Jason Segel, que está nos cinemas agora, é pra gente como a gente. Nós crescemos com os Muppets. Aprendi a ser mulherzinha, histriônica, passional e determinada com Miss Piggy. Cid sorria toda vez que Animal aparecia na tela. Fomos educados, ele com o programa de TV e eu com os filmes, à base dos bonecos de feltro de Jim Henson. E ouvir 'Rainbow Connection' me traz lágrimas até hoje.

Isto posto, não dava pra não amar o filme dos Muppets, esta nova aventura em que Mary, Gary e o irmão muppet de Gary, Walter, descobrem que o antigo estúdio dos Muppets será demolido e se empenham em juntar a trupe, 30 anos depois, para angariar fundos para comprar o estúdio de volta. As cameo appearances, os números musicais, a metalinguagem o tempo todo (eles sempre estão cientes de que estão em um filme), tudo isso nos divertiu um bocado. E eu, particularmente, me apaixonei perdidamente pelo figurino da Amy Adams. Mas entendo. Eu entendo o que se passa no mercado brasileiro, em que o filme abriu mal e, em plena quarta-feira de noite, menos de 1/3 da sala estava ocupada.




Em primeiro lugar, 'Os Muppets' não é um filme para crianças. Jason Segel, adoro você, amei o filme, mas seu conceito de "filme para a família" funciona apenas localmente. Quando Caco/Kermit pega sua antiga agenda telefônica para procurar uma celebridade e chama "Alô? Presidente Carter?" - isso não é para crianças. A Electric Mayhem não é para crianças. Os números musicais (especialmente "Man or Muppet") não são para crianças. São, sim, para a criança de 8 anos que existe em um homem de 40, mas um filme para a família precisa também envolver as crianças de 8 anos reais, e não é somente a presença dos bonecos que vai garantir isso. As muito novinhas não vão entender. As mais velhas acho que prefeririam assistir a um episódio de 'Punch the Teacher'. Nos EUA, talvez - uma vez que os Muppets nunca deixaram de ter produtos licenciados, o que garante a presença no imaginário coletivo de crianças de todas as idades, mas aqui? Ou você via o Muppet Show, ou seu pai era um nerd e te levou ao cinema em 81 e 83, ou você não conhece os Muppets. Porque, vamos combinar, Muppet Babies não são Muppets (pra começar, eram desenho e não bonecos)

Então, Disney Brasil, por que a falta de opção de cópias legendadas? Aos fins de semana, pais vão levar seus filhos (que vão morrer de tédio durante quase todo o filme, porque nenhuma criança merece Amy Adams com dor de cotovelo dançando sozinha no restaurante), mas durante a semana o público será de adultos nostálgicos, geeks, nerds, pessoas que frequentam cinema desde os anos 70, 80 - ou seja, já desenvolveram uma cultura cinematográfica razoável... e preferem ver legendado. E vão deixar de ir ao cinema porque, pra ver dublado, é melhor baixar (é, Disney, estamos em 2011).

Abriu mal? Vai cair pela metade o número de salas no próximo fim de semana? O filme já é um filme de difícil posicionamento, e ainda por cima os executivos de marketing da Disney Brasil não souberam trabalhar o filme para o público que realmente vai curtir e comprar produtos licenciados (adultos ganham salários e compram brinquedos carésimos, hein, Disney? Ainda dá tempo de uns bonecos maneiros. Fica a dica).

Não tá indo bem. Uma pena. Porque a menina de 5 anos que nunca saiu de mim amou e recomenda a todos os adultos nostálgicos, mesmo que em cópias dubladas, mas eles provavelmente não terão muitas opções de salas para ver na semana que vem. Disney, da próxima vez, contrata minha consultoria. O potencial é grande, o filme é lindo, vocês não precisam amargar preju nessa vida.

quarta-feira, dezembro 07, 2011

SINGLE NOVO DOS REZILLOS NA ÁREA

Gente, isso se chama FELIZ NATAL:






Três faixas pra você ouvir e cantarolar junto, aqui. É mole ou quer mais?
Fato: os Rezillos estão adultos, bem produzidos e, apesar disso, continuam os Rezillos - o que, sinceramente, me soa mesmo esquisito (saca véio tocando punk rock? Dá um certo desconforto). Mas como posso apostar que não verei Rezillos ao vivo tão cedo porque o Queremos só traz bandinha hype, esse single é uma delícia de se ouvir: "Out of this world", na versão original e na remix, é uma canção e tanto. "Rosalyn" é pura porradaria - um pouco menos enérgica do que há 30 anos atrás, verdade, mas fico feliz que eles tenham envelhecido comigo e façam música pra gente da minha idade. Para os fãs de Rezillos da minha idade. Clica lá, ouve aí.



quarta-feira, novembro 30, 2011

domingo, novembro 27, 2011

Chaça é arte

O blog Popular de lujo volta e meia nos agracia com arte popular, ilustrações de rua de todas as partes do mundo, sempre uma overdose de cores fortes e formas conhecidas. Este post sobre a mostra de rótulos de cachaça que rolou no instituto Tomie Ohtake é tudo de bom , uma compilação incrível. Mesmo. Próxima ida ao mercado ou ao boteco, preste atenção nos rótulos. Você está cercado de arte. Vale a pena demais.



Eu já sabia. Já era do tipo que viaja em imagens corriqueiras e que tinha por hábito observar o mundo à minha volta, trabalhar com produção de arte e cenografia de objetos só agravou minha condição de observadora da arte cotidiana. Trabalhar com direção de arte em agência de publicidade só me fez respeitar ainda mais artistas, ilustradores e designers, especialmente os que conseguem, de fato, embelezar o mundo. Com vocês, dois dos meus rótulos favoritos:

Catuaba selvagem, um PRIMOR do kitsch (o rótulo é metalizado, minha gente!)

 E os lindos fósforos zebra:




E os SEUS rótulos e embalagens favoritos, quais são? Quando foi a última vez que você se tocou de que a função dos designers e ilustradores era mesmo embelezar o mundo?

sábado, novembro 26, 2011

Empresas que criam problemas para os clientes, em vez de dar soluções


(baseado em histórias reais)

Você tem uma empresa de consultoria. Ou você é uma agência de comunicação "estratégica". E aí, na vontade de impressionar o cliente, você cria um plano mirabolante, envolvendo muitas mídias, concurso cultural, um ano inteiro de prêmios, e por aí vai. O cliente, é claro, gosta. E você, agência que apenas cria "soluções estratégicas" e não tem pessoal para executar, criou um problema: você não deu a solução completa.

Em primeiro lugar, você apenas deu a ideia para o cliente se virar com o que tem. E o cliente tem menos pessoal do que a sua agência.

Em segundo lugar, você esqueceu do básico: dizer quanto a brincadeira vai custar.

Em terceiro lugar, você se esqueceu de checar com antecedência quais são as implicações para o cliente em realizar certos tipos de ações: digamos que, para uma empresa privada, algumas coisas sejam mais simples do que para uma empresa pública, que precisa necessariamente licitar serviços. Digamos que ele queira, dê um jeito mas, ao longo do processo, descubra falhas no seu planejamento (por exemplo, um concurso para escolher algo importante como uma peça de comunicação que será "a cara da empresa", com poucas opções, precisa necessariamente ter opções já previamente aprovadas para serem "a cara da empresa" para não correr o risco de nenhuma peça atender aos requisitos).

* * *


Sim, é possível ser uma empresa de consultoria. Sim, é possível focar apenas na estratégia, sem precisar executar. Mas:

- Tenha uma rede de fornecedores à disposição, caso o cliente não tenha;
- Orce com eles ANTES de apresentar a proposta ao cliente;
- Orce com outros fornecedores também, para não apresentar propostas com orçamentos muito distantes da média de mercado;
- Caso o cliente já tenha um orçamento estabelecido, faça sempre propostas adequadas ao orçamento.;Caso não tenha, vale a pena dar a opção incrível, a opção média e a opção barata e a custos reduzidos, sempre lembrando dos prós e contras.

E antes de tudo, antes de tudo mesmo, ENTENDA o cliente. Entenda o setor, entenda o ramo de atividade, entenda as implicações legais para a execução de certos trabalhos. Muitas empresas pecam por ignorar as condições sob as quais sua proposta será - ou não - realizada.

Não preciso nem falar de prazo, certo? Se a reunião para a campanha 2012 aconteceu em JUNHO, é porque em JULHO o cliente quer a proposta para ser lapidada até outubro, mais ou menos, quando a produção das peças vai começar. Pra que esperar até as vésperas do evento de lançamento?

* * *

Na boa? Se um dia eu abrir minha própria empresa de consultoria, de falta de planejamento não morro. Quem aí acha, inclusive, que eu deveria fazer isso, levanta a mão.

terça-feira, novembro 15, 2011

Surf music e go-go dancing

Para que essas pérolas videomusicais não se percam na enxurrada de atualizações de status do facebook e do twitter, reproduzo os hits do dia aqui no blog. Liguem as caixas de som e divirtam-se:


The Bambi Molesters - "Bikini Machines"
Surf music mais tradicional, sabe-se lá como a banda foi parar em abertura de novela da Globo ("Bang Bang" é, até hoje, assunto proibido nos corredores do Projac - inovou DEMAIS, acho). Neste clipe, uma cat-fight de go-go girls em bambolês, e uma música delicinha. Fetiche falou alto aqui:


http://youtu.be/g1C1N8KYhtY

* * *

Messer Chups - "Lipstick Twang"
Ainda na vibe surf, mas agora aquele surf que vem direto do espaço, este vídeo é um dos raros que não retratam ETs nem luchadores nem figuras quase fantásticas: uma mocinha normal, num carrinho básico, com um scarpinzinho vermelho básico, uma decoração simplezinha e um ukulelezinho modesto. ORA! Esses caras são bons!


http://youtu.be/_evbR-tSSWg


Los Straitjackets - "Twist and grind"
De uns tempos pra cá, as Pontani Sisters se agregaram mesmo aos Straitjackets, o que torna tudo mais divertido: Angie, Jackie e... nunca sei se é Tara ou Helen, as World Famous Pontani Sisters, têm abrilhantado os já incríveis shows da banda. As moças, responsáveis por pérolas como os dvds 'Go-goRobics' ou pela coreografia go-go para 'Mambo Italiano', arrasam - desde os anos 60 que a gente sabe que twist, dancinhas e figurino burlesco têm tudo a ver... e essas botas brancas são meu objeto de desejo há alguns anos.


http://youtu.be/1FQVCkio0uY


* * *

De bônus, porque surf, go-go dancing e botas brancas nunca são demais, a abertura de um dos meus filmes favoritos de todos os tempos. Uma rodada de Psycho Beach Party pra galera!


http://youtu.be/lQ3DDHscA28

segunda-feira, novembro 14, 2011

Cadê os protestos pela educação, minha gente?

"Noam Chomsky debate o futuro dos novos movimentos", especialmente o das ocupações - que começaram em Wall Street e se espalharam não apenas pelos Estados Unidos como pelo mundo. Aqui a fala de Noam Chomsky: http://www.outraspalavras.net/2011/11/14/chomsky-debate-futuro-dos-novos-movimentos/ - mas eu, particularmente, tendo a concordar com o colunista da Cracked que, sem menosprezar a validade de se protestar contra os rumos que a economia vem tomando, concordamos que tanto lá quanto aqui falta FOCO, falta um direcionamento, falta a eleição de um porta-voz - porque, claro, no meio dos hippies fazendo oficina de tambor como 'forma de protesto', sempre tem um ou outro mais articulado que poderia falar em nome dos demais, justamente pro movimento ter credibilidade, e não ficar com a fama de "movimento nem um pouco articulado, um bando de hippies acampando e fazendo oficina de tambor, sob o pretexto de protestar contra o capitalismo quando o NOSSO capitalismo aqui no Brasil já tem o viés socialista que a gente precisa, e a bem da verdade a economia nos EUA pode estar à beira do colapso, mas o Brasil, embora não esteja muito bem, obrigado, está indo por um caminho bem interessante". Mas como a imprensa só vê os hippies e a galera pretensamente 'anarquista', e como os protestantes na maioria preferem empunhar cartazes de "não vote!" e "eles tiram nossa liberdade de expressão" em vez de propor ações (ações mesmo, não protestos contra) para melhorar a situação contra a qual protestam, acaba tirando toda a credibilidade de um movimento que poderia até ter credibilidade se tivesse um mínimo de foco e de agenda. Por "agenda", leia-se "FAZER algo, em vez de apenas protestar contra".

Mas, voltando à matéria sobre a opinião do Noam Chomsky, eu acho que vocês, protestantes que têm tempo livre pra acampar e não precisam bater ponto em empresa pra botar a máquina do capitalismo pra rodar para incentivar a produção independente de arte e cultura e ajudar VOCÊS, artistas, a terem sua arte produzida e reconhecida, deviam se ligar num trechinho besta da matéria:

Na última quarta (9/11), um protesto contra o endividamento dos estudantes – que está beirando 1 trilhão de dólares e pode se transformar numa crise semelhante à das hipotecas – foi aberto por uma bandeira dos Estados Unidos e uma faixa contra o capitalismo…

Vamos lá, galerinha amiga:
- Faixa contra o capitalismo: é esse capitalismo que permite que vocês se organizem "de maneira anárquica" pela internet para realizar o movimento. É esse capitalismo que permite que vocês tenham acesso à máscara do Guy Fawkes (e, aliás, é esse capitalismo que permite que vocês ou deem dinheiro para grandes corporações, já que o personagem pertence à Warner, ou, pior ainda, comprem baratésimo de fabricantes chineses, provavelmente exploradores de empregados de fábricas, já que o preço que se paga pelos artefatos não cobre a produção). É ISSO que tira a credibilidade do movimento. É por ISSO que eu não compactuo com esse protesto (não da maneira como está sendo conduzido).
- Que tal escolher um foco? Um único assunto para protestar, para propor uma agenda de melhoria, para levar para quem realmente tem poder de decisão? É a economia? Vocês não leem as notícias internacionais, que dão conta de que, mais uma vez, vamos passar bem pela tal crise mundial? Que tal... prestem atenção, isso é puro ouro: resolver o tópico EDUCAÇÃO de uma vez por todas?

Fica a dica.

Emprego não falta no país. Cês tão ligados, né? O problema é que acreditamos que "sendo jornalistas, vamos ajudar a denunciar a corrupção", acreditamos que o estudo enobrece o ser humano, e nos recusamos a VIRAR LAJE, a LEVANTAR PAREDE, vamos estudar cinema e sociologia e o país está com DÉFICIT DE ENGENHEIROS E DE TRABALHADORES QUALIFICADOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL. Em vez de acampar na Cinelândia, que tal organizar palestras em escolas pra tentar dar um direcionamento aos milhares de estudantes-futuros-desempregados, para que eles escolham carreiras/trabalhos/empregos reais em vez de viver na utopia permanente de que "manifestações artísticas e culturais resolvem todos os problemas do mundo"?

Ainda no campo da educação, atenção para a crise do endividamento dos estudantes: lá, o ensino superior é PAGO. Não por mim, por você, pelo bolso do contribuinte, mas pelos próprios estudantes que, sem emprego depois que se formam, não têm como pagar os financiamentos. Aqui nós temos universidades públicas de excelência, gratuitas, cujos dirigentes já cogitam o modelo pago para poder manter o padrão de excelência. em vez de protestar para que eles arrumem financiamento de OUTRAS FONTES, e não dos próprios alunos (o argumento das dívidas é muito poderoso! usem!), vocês estão protestando contra o que mesmo?

Com educação, e melhor ainda, com educação profissional, teremos um país de pessoas inteligentes, safas e qualificadas e educadas para suprir as demandas de um país em desenvolvimento - e isso independe de 'capitalismo ou não capitalismo', já que muitos 'capitalistas de carteirinha' podem investir em escolas (vide aquela grande corporação de telefonia que pegou uma escola pública pra criar e hoje é responsável por uma das melhores formações de ensino médio da cidade!). 

Vocês sabem que só "pedir verba para educação" não adianta, né? Não adianta ter verba se ninguém quer SER PROFESSOR. Não adianta ter verba se ela não é direcionada para a valorização do profissional de ensino, seja fundamental, médio ou superior. Não adianta professores ótimos se, em casa, os pais não ensinam conceitos básicos como respeito ao outro, respeito às autoridades e valorização da profissão alheia.


Mas não. Vocês estão aí fazendo oficina de tambor e empunhando cartazes de trocentas causas ao mesmo tempo - que, pulverizadas, não ganham força. Na Cinelândia, em vez de num escritório discutindo como chegar até quem manda no país. Reclamando dos políticos, em vez de aprenderem a fazer política para, assim, mudar o mundo. Ei, que tal resolver um problema, e quando este estiver resolvido, focar em outro, e no próximo, e no próximo, e assim até que tenhamos a sociedade que a gente quer?

sábado, novembro 12, 2011

Vamos aprender a dançar? Parte 1

O ano era 2007, e um sujeito que me achou numa comunidade de alguma banda de swing jazz no Orkut deixou um recado enigmático. Algo como "oi, você gosta deste ritmo, estou dando aulas de swing dance gratuitas em Copacabana". Peraí. De graça, do lado de casa, aos domingos (aquele dia em que não tem nada pra fazer na cidade) e o que eu estava fazendo que não tinha ido lá ainda? Bem já estava reclamando que essas festinhas de rock indie alternativo não estavam com nada mesmo e - pá - me aparece um povo que curte uns jazzinhos antigos. E que curte dançar. Só faltavam mesmo as festas - que acabaram aparecendo com o tempo. Primeiro, tímidas, 3 ou 4 musiquinhas no meio de um baile de dança de salão.

Depois as práticas, os encontros na praia, os bailes do Mauro e da Adriana, depois o povo da dança indo a todo e qualquer show onde alguém tocasse um contrabaixo acústico, depois a coisa foi se misturando e dá pra dizer que hoje existe uma cena consolidada de lindy hop na cidade. Como não é uma dança da moda, acaba virando coisa de apaixonado por velharia - e apaixonados por velharia são capazes de coisas incríveis: outro dia mesmo, um grupo de apaixonados por velharias montou um espetáculo de vaudeville completo. Agora isso, um pusta evento com direito a luau na praia (e reza a lenda que minha banda estará lá!!), bailão com Mark Lambert e Orquestra Radio Swing, comemoração de 92 da Norma Miller (dançarina das antigas MESMO), muitos jazzinhos antigos e, pra quem quiser aproveitar as festas dançando com a gente (porque a gente dança, né?), aulas de dança. E digo uma coisa: essas festas com jazzinhos antigos não têm UMA música ruim! Vale muito a pena!



Dá pra ir só nos bailes, mas dá pra fazer as aulas de dança também, o que sai 230 pilas, incluindo os 4 bailes. Nunca dançou nada na vida? Vai pro iniciante. Já dança um pouco, mas quer melhorar? Alterna iniciante e intermediário. Já faz parte da turma e não se inscreveu ainda? Aiaiai, está dando mole.

Um dia eu decidi que queria aprender a fazer isso aqui, ó:

http://www.youtube.com/watch?v=D5xIJAD-Mec

Tirando as acrobacias, que nunca curti muito. He, he.

Mas você, se quiser aprender também, essa é a boa. ÔMEUSENHOR, não dá pra perder isso, não. Se bobear, daqui a pouco começa até a rolar competição com os argentinos nessa área também, porque o evento periga ser melhor que o LHAIF (brinks, LHAIF é LHAIF, os caras são parceiraços, mas quem não puder viajar pra Buenos Aires em janeiro já tem a alternativa do BSOE, hein?). , até porque isso te desobriga de ir até a Argentina em janeiro, já que vários professores vêm pra cá - tem argentinos, austríacos, suecos e, claro, a galera do Rio (que está cada vez melhor). Quer dizer, vale a pena.

Bora:


http://brasilswingout.com.br

quarta-feira, novembro 09, 2011

Cinema independente, bicicleta e autoramas. Só alegria!

Cabô férias, welcome to firma. E também aos planos de dominação mundial - não que férias não sejam pra isso também, mas sabe como é. Dominar o mundo agora é prioridade.


black coffee 

Ontem dei uma aula pra turma de roteiro da faculdade de cinema - aquela aula divertida em que mostro pra eles que existem milhares de possibilidades além da tela grande e, consequentemente, de uma distribuição mais ou menos - porque você ainda é jovem e iniciante e seu filme não tem como concorrer com os blockbusters da Fox, da Paramount e da Warner, e vai ficar restrito a um circuitinho fuleiro e não vai se pagar. E, se você cair nas mãos de uma equipe de marketing ruim, periga lançarem seu filme com uma estratégia incrível de "criar um blog do personagem e uma página no facebook". Também existe vida além dos editais de apoio, que são legais mas apoiam um número muito limitado de projetos, né? Dá pra fazer produções mais baratas, mais modestas, mais criativas e mais interativas. A garotada gosta de ver os exemplos. E eu gosto de pesquisar.


* * *

Hoje tem Autoramas de graça no Arpoador. "Música Crocante" é o disco novo e está um barato. Vai ouvindo aê pra cantar junto mais tarde!

* * *
Sexta-feira é 11/11/11, o que é uma data redonda e datas redondas são Dia Mundial do Bambolê. Sábado, se fizer tempo bom, tem mega-encontro nos jardins do MAM. Ukuleles e lanchinhos são bem-vindos!

* * *
Lembra do filme das Trigêmeas de Belleville? Se não lembra, deixa eu te refrescar a memória, aqui saiu como 'as bicicletas de Belleville', num grande equívoco de tradução. É uma animação francesa sobre uma senhorinha que tem seu neto ciclista sequestrado em plena tour de france e é ajudada por três velhinhas meio freaks que tinham um trio vocal nos anos 1920. Lembrou? Se não lembrou, é porque não viu - e se não viu, tem que ver.

O ponto é: o tal do vélo-ciné virou verdade:



http://www.youtube.com/watch?v=cpVSmvI-CAs

Tá rindo? Achou que era só um protótipo? Pois olha só, na Inglaterra o tal do Cyclothon (maratonas cinematográficas movidas a pedal) já está rolando a toda: http://www.magnificentrevolution.org/bookings/magnificent-cycling-cinema/cycle-in-cinema/

Eu queria ser genial e ter essas ideias incríveis assim. Não apenas as ideias, como ter pique para executá-las, CLARO.

* * *
Last but not least, Pixies sempre é bom. Mas só depois que terminar de ouvir o disco dos Autoramas linkado aí em cima.


www.youtube.com/watch?v=zjiyXTbIQ5w

sexta-feira, novembro 04, 2011

Da arte da escrita

Já fui do tipo que escreve mais e melhor. É só fuçar posts antigos deste blog para tirar a prova: lá pelos meus vinte e poucos anos, ainda não haviam os 'probloggers', ninguém te pedia midia kit porque, por deus! Era só um blog. Eu mesma fiz um esses dias porque algum conhecido que trabalha numa agência pediu. Não que eu ache que esse blog aqui vai me sustentar (você já deve ter visto uns anunciozinhos por aí. RELAXA, também não acho que este blog vai me sustentar, mas estou observando e testando adsense para os projetos paralelos). Porque naquela época, ninguém vivia de blog, blog era só uma vitrine dos seus textos, dos seus pensamentos, do que mais você quisesse escrever.

Compartilhar links e curiosidades também era muito mais complicado em dois mil e um, dois mil e dois. Só tinha mesmo o blog pra fazer isso. Você acha que Orkut é ultrapassado? Pois a gente usava Friendster e Multiply! Não tinha Twitter, Facebook, Google+ nem nada disso: tinha, sim, um garimpo danado pra achar alguma informação disponível sobre algum assunto específico (geralmente a gente procurava no Altavista e achava num diretório qualquer do Tripod ou do Geocities), mas até para atualizar constantemente essas páginas era complicado, porque requeria alguma noção de html e publicação, então quando vim pro blogger.com, vim com esse espírito, digamos. E com o espírito de uma jovenzinha de vinte e poucos anos que, apesar de trabalhar e estudar, tinha mais tempo e disposição para achar as palavras certas para escrever, também.

Entreter com as palavras, definitivamente, é para poucos: requer uma dedicação que, confesso, não tenho mais, já que divido minha dedicação ao trabalho, aos estudos de pós-graduação, aos projetos paralelos, ao marido, à casa, ao ukulele, à família, ao bambolê e, quando sobra um tempinho, à vida social, atualmente mais online do que qualquer outra coisa. Se você perguntar "mas, Lia, você desaprendeu a escrever?", ouvirá um sonoro "não" como resposta, e te entubo um artigo acadêmico, uma aula de roteiro, duas ou três justificativas de abertura de processo, um plano de comunicação... e te garanto que tudo isso é muito bem escrito! Mas, para isso, precisei aceitar minha verdadeira vocação, que não era ser 'a sucessora de Paul Auster', como eu gostaria. Sabe aquelas histórias incríveis sobre o próprio ato de escrever? Personagens indissociáveis de seus autores? Já admiti que não vou fazer isso. Textos incríveis narrando o submundo do Rio de Janeiro, o rock'n'roll em sua mais pura essência, putarias e bebedeiras? Olha bem pra minha cara de dona de casa responsável, vai ler um Bukowski e não me enche o saco.

Também já admiti, e se você é um desses leitores antigos que me acompanha desde o Elevador.org, sabe disso, que aqui também não é lugar para crises existenciais, relatos pessoais demais, não é lugar de abrir meu coração. Primeiro porque não tenho crise existencial desde 2006, mais ou menos. Segundo porque abrir o coração num espaço onde, potencialmente, todo e qualquer desconhecido pode chegar, não é exatamente meu ideal de privacidade. Depois fica aquele bando de gente que acha que te conhece intimamente porque leu um texto teu na internet... já passei por isso e não quero de novo, não.


Então pra que serve este blog, pelamordedeus?

Faz sentido continuar escrevendo em blog?



Rá.

BAZINGA!

Enganei vocês direitinho. Não, este post não é um post de 'este blog não tem mais sentido'. Foi só um exercício de digitação e brainstorming mesmo. Tenho andado muito sintética ultimamente, e na internet tenho compartilhado mais do que criado (mas é que, gente, a vida offline tá uma loucura! UMA LOUCURA!). Como estou de férias, achei por bem escrever um pouco mais que o habitual, pra lembrar que ainda sei fazer isso.

Fiquem bem.

Pra não perder o hábito do compartilhamento de links, um pouco de Patsy Cline pra vocês. Mas esse fui eu que fiz, ó:


http://youtu.be/F46YX03AH4Y

Fiquem bem. Qualquer coisa, me chamem.

segunda-feira, outubro 31, 2011

Arte nas férias!

Aos leitores de Lounge que não sabem ou não lembram que este sítio será melhor aproveitado se em conjunto com outros sítios, aviso e comunico que Lounge Redux é o tumblr em que compartilho alguns links diretamente do GReader, e também imagens interessantes encontradas nas internets.

Hoje, por exemplo, foi dia de compartilhar imagens de ilustradores e artistas em exibição nos encontros do Pictoplasma, e também imagens vintage/~vaudeville.


E tem também imagens da galera do ukulele no Rio de Janeiro. CLARO! :-)


Colírio para seus olhos, diversão para a alma. Acompanhe Lounge Redux aqui. Para os fãs de um bom Rss, vocês podem acompanhar por aqui também.

terça-feira, outubro 25, 2011

Dia de finados está chegando e...

...e Lounge gosta de calaveras mexicanas.

Confira este lindo curta-metragem do Instituto Mexicano de Cinematografia:


http://youtu.be/VR_hPPV8td8

segunda-feira, outubro 24, 2011

Rio Comicon 2011 - Nós fomos!

A segunda edição da Rio Comicon foi ESPECIAL. Só fomos ao evento hoje, mas ontem o evento foi até nós - com Chris "X-Men" Claremont e Bob "Dark Horse / Legendary" Schreck indo até o show da nossa banda, curtindo, parabenizando a gente e deixando que a gente os tietasse:


Ouvimos dizer que a filha do Guido Crepax até agora amaldiçoa a galëre por ninguém ter dito pra ela onde era o trelelê. EPIC WIN! De qualquer forma, não podíamos deixar de conferir a Rio Comicon, que mesmo com as mudanças na organização (a gente gosta do Ricky Goodwin!) continua morando nos nossos corações e... ei! Quadrinhos! Autores independentes! Cosplayers! Encontrar os amigos nerds todos e mais alguns! E, acima de tudo, eu e Cid fomos lá honrar uma das paixões que nos uniram: la bulle. A banda desenhada. Os quadrinhos.
Dresscode: óculos de grau e camiseta de personagem de gibi LIBERADOS!!!

 

 
A exposição com os originais do Will Eisner estava uma coisa de louco. No coração da tempestade, Avenida Dropsie, O Edifício... tudo aquilo que a gente leu, adorou e idolatrou, e mais um pouco, nas versões rabiscadas, com letra colada por cima, cadernos de esquetes do Mestre...


Confesso que quase chorei na ala The Spirit. AMO tanto que não ousei ver o filme que, dizem, é uma desonra à obra de Will Eisner.


A expo do Crepax era modesta em termos de quantidade, mas tinha umas estantes que davam vontade de levar pra casa.


Cosplayers, geeks, nerds, fanboy, artistas, curiosos, famílias inteiras formando o caráter de crianças que, apaixonadas por seus super-heróis favoritos, provavelmente criarão o gosto pela leitura, pela criação, pelas artes, assim como nós criamos.

...um por do sol desconcertante lá na Leopoldina:


...e muitos reais gastos nos estandes, especialmente o da Livraria da Travessa. É muito bom ver que a produção nacional independente não apenas continua prolífica como de qualidade - várias paradas lá de deixar o queixo caído e morrer de inveja branca porque eu jamais conseguirei fazer igual.

Curtimos. Se tiver em 2012, iremos novamente. E que venha o FIQ em BH!!! Bill Sienkewicz estará lá! OBA! \o/





sexta-feira, outubro 21, 2011

segunda-feira, outubro 17, 2011

Uoooooooooooooooouuoooouuuuuoooooooo...!

Existe algo meio sádico em ver gente se dando mal. Não, não, não é simplesmente torcer contra - tem gente que diz que tudo o que a gente deseja volta pra gente, certo? Mas sabe quando o cara PEDE pra se dar mal? Há situações em que os envolvidos parecem que estão pedindo pra que um acidente aconteça. Aí eu dou a maior força - sempre fazendo a ressalva para que não seja nada grave e tals. Tipo os vídeos do FailBlog. Que site, senhor. Que site:



Ok, acabou minha dose semanal de maldade. Voltemos às fofuras e coisas divertidas (se bem que sadismo diverte, de alguma forma)...

quinta-feira, outubro 13, 2011

Analógica

Prefiro escrever e anotar coisas em papel, por mais incrível que possa parecer. Computador é sempre uma mão na roda, não sei o que seria da minha vida sem o google, mas um bloco e uma caneta jamais me deixariam na mão - ao contrário de um dispositivo eletrônico dependente de energia elétrica e da boa vontade dos Deuses Que Regem os Computadores.

terça-feira, outubro 11, 2011

Aux Champs-Élysées...


Porque eu toco ukulele, falo francês e queria mandar uma musiquinha goodvibe pros leitores de Lounge, pra me desculpar da ausência prolongada:


http://youtu.be/TlIBDze7U6Q

Boa semana pra vocês!

sexta-feira, setembro 30, 2011

Sonzinho goodvibe do dia - ASA, "Be my man"

A queridíssima Beth Salgueiro deu a dica da ASA (ou Asha, como preferir). Que clipe! Que figurinos! Que dancinhas! Que música! Que goodvibe! Mocinhas míopes de todo o mundo, unamo-nos! Sabe aquele vozeirão de cantora de soul com uma vibe 60s cuja perda você lamentou quando Amy Winehouse foi desta para melhor? Pois elas continuam soltas por aí, e o que é mais fantástico: nada de melancolia, elas querem te botar pra dançar. Aliás, alguém aí viu o showzaço da Janelle Monáe ontem no Rock in Rio? INCRÍVEL.

ASA - Be my man

 http://youtu.be/MNUgJMDsOuY

('don't baby me' é muita atitude, minha gente! amay!!)

Tem mais ASA no meu outro blog... altos curti a moça.

* * *
Bom fim de semana pra vocês... e se quiserem ainda mais goodvibe, vão ver minha banda, a sensacional Uisqueletos Extravaganza, amanhã (01/10) na Feira Rio Antigo, na rua do Lavradio, por volta dumas 16h! Apareçam!

quinta-feira, setembro 29, 2011

Registrando sonhos antes que eu esqueça - 29/09/2011

"Se a Lia de 33 anos voltasse no tempo e contasse para a Lia de 13 que um dia ela estaria no aniversário do Dee Snider, a Lia de 13 teria um treco" -- lembro claramente de ter dito essa frase.

Foi uma festinha surpresa dessas low-profile só com os amigos mais chegados e a galera do trabalho. Não perguntem. Eu... não sei explicar.


sexta-feira, setembro 23, 2011

No dia 23 de setembro, num dos primeiros anos de uma década não muito distante da nossa...

Hoje é 23 de setembro. Fiquem atentos - nada de comprar plantas, especialmente depois de eventos estranhos...


http://youtu.be/wa7IgEcRvhc 

Hoje é 23 de setembro, dia da homenagem anual ao meu filme preferido de todos os tempos, formador de caráter e influenciador de gostos. Hoje é dia de cultuar o guarda-roupa de Audrey, o vozeirão de Audrey 2, a nerdice de Seymour, a rabugice de Sr. Mushnik, o topete do dentista e, claro, as gracinhas Crystal, Chiffon e Ronnette que, se você não percebeu, se chamam Crystal, Chiffon e Ronnette.

* * *
Hoje também é dia de tocar ukulele, celebrar a primavera e ver o primeiro episódio da 5a temporada de Big Bang Theory quando chegar em casa...

* * *

Você sabia que o início dos anos 90, também conhecidos como "o final da era negra da animação para TV", produziram um desenho animado baseado em 'A pequena loja dos horrores'???

http://youtu.be/oIqjFAM5W9o 

Eu também não sabia. Não sei se era melhor ter dormido sem essa.

quinta-feira, setembro 22, 2011

AGORA, TODO MUNDO DANÇANDO COMIGO!



Tou vivona, galera. Só pra avisar que tou vivona. Digamos que há mais trabalho do que horas disponíveis no dia... mas creio que em breve voltaremos ao nosso ritmo normal.

segunda-feira, setembro 05, 2011

Super 8 - um bom filme

Não, não aderi totalmente à moda do filme analógico, apenas na fotografia. O super 8 em questão é o filme em que 4 moleques fazendo um filme de zumbis registram, por acaso, um estranho acidente de trem. 'Super 8' é uma mistura de 'Os Goonies' com 'E.T.' com 'Arquivo X' com 'Conta Comigo' e com 'Be kind, rewind', que resulta num filme tenso na medida certa, cheio de referências pop e até fofo. E pra gente, que viveu os anos 80 e que ama e faz cinema, é ainda mais gostoso.



Na verdade, UMA coisa me incomodou em 'Super 8', que é a mesma coisa que me incomodou em 'Sinais' - se você não viu 'Sinais', acho que a essa altura do campeonato nem precisa ver, mas se você ainda não viu 'Super 8'... vou tentar não estragar a história, se você é do tipo que prefere ver filmes sem saber muito sobre o que vai ver - supondo que mesmo o filme tendo saído de cartaz depois de míseras duas semanas, você vai correr atrás daquele jeitinho que a gente gosta. Vamos lá. Espero que no feed ou via mobile não desconfigure a malandragem do texto pintado de branco, por vezes necessário.

Selecionar a partir daqui: meu problema é com a personificação dos ETs como seres babões e assustadores. Enquanto o terror é psicológico, você entra no clima. Quando ele ganha uma CARA, um corpo de gafanhoto, umas garrinhas de mantis... vira filme B e até a suspensão de crença vai pro espaço, dado o ridículo da situação. O que, no caso de 'Super 8', nem é um graaaande problema, considerando a história paralela do curta que os moleques estão fazendo, considerando que o filme é vendido como fantasia e considerando que J.J. Abrams andou vacilando ultimamente, ou seja: eu esperava o pior.

Já para M. Night Shyamalan, não tem desculpa.

Cotação de 'Super 8': Valem os megas de conexão. Valeria meia entrada + o combo de pipoca giga, caso ainda estivesse passando nos cinemas daqui. Entrada inteira, aí não sei.

terça-feira, agosto 30, 2011

Link-o-rama 30-08-2011 - ukulele, bicicleta, bambolê

E agora, essa: cientistas descobriram que toda a graça, elegância e leveza de Audrey Hepburn era decorrente de seus problemas de saúde (anemia, problemas respiratórios e sanguíneos), por sua vez decorrentes de um período na infância em que a pequena futura musa passou fome. Meus 65kg são pura saúde, é isso, né?
* * *
Os dias têm sido silenciosos e focados em trabalho. Exceto, claro, em dia de ensaio e show, onde o que se ouve é música da melhor qualidade, pela banda com o melhor repertório da cidade. Um exemplo?


http://youtu.be/0wstA1AXH5M

Ninguém segura a gente. Serião.
* * *
Copenhagenize.com é um excelente site sobre cultura de bicicleta. Hooping.org é um excelente site sobre a cultura do bambolê. E Mighty Uke é um excelente documentário sobre a cultura do ukulele.

E você? O que me conta?

sexta-feira, agosto 26, 2011

já estava achando que era pessoal...

"Tenha cuidado, Lia, entre os dias 25/08 (Ontem) e 12/09, com um certo sentimento de menos-valia e com pensamentos e atitudes que lhe levam a diminuir sua auto-estima, pois nesta fase o Sol estará se opondo à Vênus do seu mapa de nascimento. Este não é um trânsito particularmente forte, mas pode estar relacionado com uma tendência a enveredar por caminhos de autocrítica excessiva, com você se colocando em situações e circunstâncias em que sentirá inadequação ou desvalorização pessoal. Reconhecendo esta tendência antecipadamente, você pode evitar se expôr. Não permita que os outros lhe diminuam, mas saiba conscientemente que se alguém faz isso, é porque você se coloca em posição de permitir tal coisa!E, mais especificamente entre os dias 17/08 e 30/08, a Vênus em trânsito também estará afligindo o seu Sol natal, Lia, reforçando mais ainda esta predisposição a se colocar em situação de rebaixamento. Outra possibilidade para este período envolve o risco de você se envolver em problemas que são de uma futilidade sem igual, ou seja, dedicar energia e bobagens. Procure avaliar criticamente para onde você direciona a sua atenção, Lia!"
-- Valeu, Personare... Já tava achando que era pessoal!

quinta-feira, agosto 25, 2011

Teste de percepção interessante

Não, não é o vídeo do gorila (ops, mal aê o spoiler!) e nem a foto da moça de bunda grande atravessando a rua... esse é um experimento científico mesmo. Curti. Tem a ver com campos de visão, atenção e recepção de imagens pelo cérebro. É legal. Quer ver? Olhe esse vídeo. Mas ATENÇÃO: não tire os olhos da cruz que aparece no centro do vídeo.


http://youtu.be/wM6lGNhPujE

As pessoas nas laterais são BEM esquisitas, meio deformadas, né?

Não é????

Agora veja o vídeo de novo. Pode desviar da cruz e ver os rostos com atenção.

Que coisa, não?

Acontece que, tendo que dividir a atenção entre os rostos alinhados pela linha dos olhos e com uma velocidade específica, o cérebro da gente só processa a diferença entre os rostos. Quer dizer, não entendi muito bem, mas como os cientistas também não conseguem explicar exatamente como isso acontece, tá bom.

A pesquisa está aqui: http://mbthompson.com/research/. Mas recebi esse link por aqui. Legal, né?

Coisas que só Lounge faz para você.


sábado, agosto 20, 2011

Segredo de beleza de Lia Amancio

Pra manter essa carinha de 28 anos aos 33, cinco coisas são fundamentais:
- Vida conjugal feliz
- Beber cerca de 1 litro e meio de água por dia
- Cuidar da alimentação (não quer dizer viver em dieta, mas cês sabem que excesso de fritura deixa a pele oleosa, né?)
- O sono da beleza (quer dizer: só dormir menos de 7h por noite em dia que tem aula da pós, e mesmo assim, não muito menos de 7h/noite. SEMPRE penso no dia seguinte e em como é horrível trabalhar virada, ou perder o sábado/domingo dormindo quando eu podia estar fazendo algo produtivo ou divertido)
- e tem aquela dica que não lembro qual ícone da beleza e elegância deu, mas é uma espécie de lema de vida: não deixar JAMAIS que te vejam cansada. Deu sono? O corpo pediu arrego? Você não tem que ficar na rua: pegue um táxi pra casa, garota. Ninguém vai te ver cansada *e* sua saúde agradece.

E você? O que recomenda?

terça-feira, agosto 16, 2011

The Green Album - um tributo aos Muppets

Um dos primeiros filmes que vi no cinema, se não o primeiro, foi O filme dos Muppets, de 81. Ou pode ter sido 'O cão e a raposa', ou 'Bernardo e Bianca'. E agora? O fato é que lembro do filme em flashes, mas ainda arrepio e fico com nó na garganta quando ouço 'The Rainbow Connection', cantada por Caco com seu banjo. No programa de TV rola uma versão com a Debbie Harry, mas Debbie Harry só passou a existir no meu mundo uns bons quinze anos depois. Em 81, só tinha Caco e Piggy. E Tobi e Dodó, e Emília, Visconde... enfim. Chora aí você também:


http://youtu.be/jSFLZ-MzIhM

...e aí que vem o novo filme dos Muppets, e um pouquinho de produto licenciado nunca é demais, especialmente quando o produto licenciado em questão são bonecos e é um cd com bandas que eu gosto, bandas que eu não conheço e até aquela cantante de metal que ganha uma dignidade cantando músicas dos Muppets.

O disco tá online pra ouvir. Ouve aí: http://www.npr.org/2011/08/14/138984517/first-listen-muppets-the-green-album

Curti especialmente as que eu já conhecia, claro. Há todo o vínculo emocional em 'The Rainbow Connection' (com Weezer!!!), 'Manah Manah' e 'It's not easy being green', especialmente se 'It's not easy being green' for cantada por Andrew Bird, o que é o caso. E altos curti essa 'Mr. Bassman' com esse rapaz Sondre Lerche. E mesmo as músicas que não são as minhas preferidas estão lindas e fazem desse tributo um discaço pra ouvir com regularidade enquanto o filme não chega.

E você? Curte Muppets? :)

quarta-feira, agosto 10, 2011

'O Iluminado' - making of

Você talvez não saiba que Vivian Kubrick, a então jovenzinha FILHA DO HOMEM, acompanhou as filmagens de 'O Iluminado' direto do set e fez um minidocumentário sobre as filmagens.

Quer dizer: agora você sabe. E pode assistir em http://www.openculture.com/2011/08/making_the_shining.html

Lounge te ama e só quer o seu melhor, leitor. Lounge só quer o melhor pra você.

segunda-feira, agosto 01, 2011

Mondo bizarro pt 1 - elenco de 'Expendables 2' e um peixe viciado no rehab

Os Mercenários. Aquele filmaço (NOT!) com o elenco mais casca-grossa da indústria cinematográfica internacional. Você sabe: Stallone, Jason Statham, Jet Li, Dolph Lundgren, Mickey Rourke, Bruce Willis, Schwarza em participação especial e mais uns fortões. Lembra? Como esquecer?

Pois há rumores de um Mercenários 2. Como se não bastasse, há rumores, ainda, de que Mercenários 2 contará com ninguém menos do que John Travolta, Jean-Claude Van Damme e... prepare seu coração, leitor de Lounge: CHUCK NORRIS.

Agora sim, imperdível. Agora sim, filmaço. Mal posso esperar.

* * *

Em nota não relacionada, um peixe viciado em kit-kat foi para o rehab. Não, você não leu errado: kit kat, aquele chocolatinho preferido de 9 entre 10 visitantes do free-shop. Kit Kat, o chocolatinho que agora - socorro! Engordo só de pensar - vende no supermercado Zona Sul. E um PEIXE VICIADO EM KIT KAT VAI PARA A REABILITAÇÃO.

* * *

E você pensava que já tinha visto de tudo nesta vida, leitor...

sexta-feira, julho 22, 2011

Viva calaca!

Cês sabem que eu tenho um APREÇO pela maneira como os mexicanos festejam seus mortos, né? As caveirinhas coloridas e os altares que evocam mais os bons momentos com o morto do que a tristeza da perda. E tem a coisa do grotesco, de transformar a morte numa grande festa... você perde o respeito, ou melhor, perde o medo, e a morte passa a ser algo natural, com que a gente convive mesmo e é assim a vida e vamos nessa. Filosofias à parte, tem umas calaveras muito das bonitinhas nessa vida.

Aí achei esses dois curtinhas/videoclipes desse designer/animador chamado Ritxi Ostáriz. E resolvi compartilhar com vocês:

ViVa Calaca!




¡Viva Calaca! Day of the Dead from Ritxi Ostáriz on Vimeo.

Viva Calaca! parte 2
(uma homenagem à parada de elefantes do Dumbo, é o que ele diz)



¡Viva Calaca! 2. Pink Elephants on Parade from Ritxi Ostáriz on Vimeo.


Morreu de tanta fofura? Então segura, de bônus, o clipe de 'No cowboy', do Dead Hoodlums, animado por ele também:



No Cowboy from Ritxi Ostáriz on Vimeo.

* * *

Porque Lounge adora animação. Aliás... Anima Mundi tá rolando no Rio de Janeiro. Você foi? Viu algo interessante? Conta aí.

quinta-feira, julho 14, 2011

Sabedoria masculina

"Pô, vai no shopping, da um auto limite de quinhentinho e parcela em três vezes uma compras, mas tenta não comprar sapatos que não combinem, porque aí tu se atrasa e eu não posso nem tomar café na padaria contigo. Toma um frontal que ta em cima da mesa e relaxa."
-- Cid 'Maridão' Mesquita, sendo muito sábio neste momento

quarta-feira, julho 06, 2011

Penteado vintage FTW

Tem uns caras que vêm aqui, eu sei. Aliás, acho que tenho mais leitores do que leitoras, dada a amostragem dos comentários (Laila? Joelma? Raquel? Vocês ainda frequentam esse pedaço?). Mas olha só: eu nasci assim, eu cresci assim e de vez em quando rolam uns surtos mulherzinha-descontrol mesmo. Para os rapazes, resta rir da minha cara ou mostrar o blog para as namoradas. Mas vamos lá. É divertido. Olha só.

Pra quem não sabia ainda, tou com banda. Aham. Éramos eu, marido e três amigos, aí rolou a grande FUSÃO entre nossa banda e a outra banda do marido e de dois dos três amigos, e agora somos o Uisqueletos Stravaganza:

A gente toca músicas BEM velhas, músicas mais ou menos velhas com cara de velhas, swing jazz, músicas de filmes e desenhos animados e até umas músicas de fossa. Falta o cara do banjo e o do washboard. Isso aí nas nossas bocas não são cachimbos de crack: são kazoos. Saca kazoo? Então. Pra quem não me conhece, eu sou a da esquerda. E não levei nem 5 minutos nem precisei de um grama de laquê pra fazer esse penteado.





Tá dando pra ver melhor? OLHA. OLHA. Esse já virou o penteado oficial das sextas feiras, gente. E Amy Winehouse é a puta que os pariu, se bebo DOIS bons drink ao ANO tá muito. A inspiração tá mais pra Kate Pierson e Cindy Wilson, que eu SEI que vocês sabem quem são.

E aí? Mulherada quer saber COMO consegui essa proeza?

Aqui, ó: http://www.superkawaiimama.com.au/hair-parlour/half-updo-without-teasing/ - tutorial completo. Detalhado. Explicado. E pras fãs de moda/cultura retrô/vintage, esse blog dessa senhorita é inspiração pura. Mas não é só isso. O pulo do gato, pra dar mais volume à 'colmeia' aí em cima, pra quem não tem cabelãozão, é uma esponjinha presa com grampos no cabelo. O coque vai em volta. Viu? Fácil, fácil.

segunda-feira, julho 04, 2011

Curtinha muito amor - e feito com celular

E o vencedor merecidíssimo do concurso de curtas da Nokia 2011, hein?


Splitscreen: A Love Story from JW Griffiths on Vimeo.

http://vimeo.com/25451551

Dedico aos alunos de argumento e roteiro deste período na UFF!
(olha o que eu falei sobre os formatos de tela verticais)

Aliás e a propósito, Cel.u.cine começou oficialmente... fiquem de olho!

sexta-feira, julho 01, 2011

Bueiros, Nashville, meu irmão, Fred e minha gastrite

Quase dez dias sem escrever aqui. AGORA sim está ficando constrangedor. Minha amiga Simone me lembrou de que hoje é aniversário de Fred Schneider, então... segue nossa singela homenagem:



http://youtu.be/KUnO4gK_56g

* * *

Nesse meio tempo, o Google deu uns passos para virar rede social - embora eles digam que não, não é isso. tire suas próprias conclusões. Eu, particularmente, achei estranho, não sei se vai dar pra criar o hábito de monitorar a timeline do G+ a essa altura do campeonato. Vai saber.

* * *
Nesse meio tempo, meu irmão - que escreve muito e muito bem - fez mais um post em seu blog. A análise de agora é sobre como obras de infraestrutura e melhorias na cidade já deveriam ter sido feitas muito antes da onda de Copa do Mundo / Olimpíadas. Sobre os bueiros da light, diz Pedro:

Não preciso nem dizer que, se o Brasil fosse realmente um país sério e o Rio uma cidade séria, esta concessão já teria sido cassada há muito tempo e o presidente da empresa estaria sendo processado criminalmente. Infelizmente, a tradicional imprevidência, o descaso, o deixar-rolar, se alia com a racionalidade econômica cruel das empresas, cuja única finalidade é o lucro, mesmo que ao custo da integridade física dos consumidores. Terrível síntese entre tradição e modernidade, num país em que as pessoas ainda não aprenderam a cobrar seus direitos de maneira consistente.

Leia na íntegra aqui: http://historiadorlatino.blogspot.com/2011/06/o-buraco-na-grade-e-os-bueiros.html

* * *

Nesse meio tempo, descobri que a causa do meu refluxo é uma gastrite leve, sob controle (porque eu cuido da alimentação), mas ainda assim, uma gastrite.

* * *

Nesse meio tempo, revimos 'Nashville', de Robert Altman, e eu pude finalmente entender (aos oito anos a gente não tem a menor noção de algumas coisas) que mais do que um filme sobre country music, Altman fez foi um filme sobre política, sobre Estados Unidos, sobre vida. É um filme onde nada acontece até os últimos 5 minutos, e ao mesmo tempo um filme em que você sabe bem o que acontece no mundo das gatinhas que tentam carreiras na música, dos conservadores filiados à associação de rifles, das viúvas de Kennedy, das canções de protesto, dos engavetamentos frequentes no trânsito, num mundo em que a quantidade de lixo em ferros-velhos e cemitérios de pneus já era assustadora, numa época em que a guerra do Vietnam estava quase chegando ao fim.

Diz aí, Barbara Harris: que conselho você daria para minha gastrite continuar quietinha?



http://youtu.be/m3wi0GUqF-U

It don't worry me. Lema pra vida, quer dizer... DEVERIA ser.Vou tentar. Juro.




:)

quarta-feira, junho 22, 2011

Protesto... pra que mesmo?

E cá estou, novamente, me desculpando pela ausência. Isso já está ficando constrangedor. Mas é que, bem, ando trabalhando, estudando, cuidando da casa, cozinhando e agora a bandinha está tocando. Não que eu tenha parado de escrever. Longe disso. Tenho até escrito bastante, mas veja bem: tem o pessoal que me paga e tem o pessoal que me dá nota pelo que escrevo. Aí já viu...

Essas últimas semanas foram marcadas por marchas e protestos, o que também já está ficando constrangedor, já que ultimamente nego deu pra marchar e protestar por direitos que as pessoas JÁ têm, como a tal da Marcha da Liberdade ("pelo direito de fazer passeata"), o protesto contra o cancelamento do festival de Santa Teresa (detalhe: arte desplugada nunca foi proibida de acontecer na rua), o dos skatistas da Praça XV (esse sim, com razão!), o do Código Florestal (que deve ter sido vazia, porque a juventude engajada carioca prefere fazer protesto pelo direito que já existe de fazer passeata ou tocar em lugares públicos), e agora vai ter a tal da slut walk, porque um babaca no CANADÁ falou algo mais ou menos como 'mulheres que se vestem de vagabundas pedem pra ser estupradas' e aí no BRASIL nego resolveu fazer passeata. Não sei muito bem qual é o resultado pretendido desta ação. A real é que não sei muito bem onde essa modinha de protestos, marchas e passeatas vai dar. Sou pessimista, creio sinceramente que uma marcha ou passeata tem efeito quando tem adesão massiva e, óbvio, quando é um evento isolado. Essas passeatas de 100 pessoas em Copa, com um malabarista à frente e cartazes coloridos... sei não, hein? Lá na minha terra, isso tem outro nome.

Cid tá dizendo que vai organizar uma marcha pelo direito de fumar onde bem entender. Vai esbarrar com a marcha pelo direito de não respirar cigarro, que eu provavelmente vou ajudar a organizar. Lá na poplist, sugeriram uma 'marcha pelo temaki mais barato', o que eu acho uma causa nobilíssima. Sou a favor também do protesto "Chega de protesto!". Pelo direcionamento da energia para coisas mais produtivas, como FAZER música em vez de ficar só protestando pelo direito de tocar, de ANDAR de bicicleta em vez de protestar pelo direito de andar de bicicleta (a bicicletada é um ótimo exemplo de como uma oportunidade de pedalar em massa pra garantir a segurança do ciclista está virando um... protesto), protesto em prol da minha paciência, que já tá acabando com esse monte de micareta disfarçada de protesto.

E vocês? Têm visto algum protesto bizarro nos últimos tempos?

domingo, junho 12, 2011

Como transformar uma galinha em um dinossauro

Cid, homem inteligente e sagaz, já havia me falado sobre a semelhança entre aves e dinossauros. "Não, tá brincando!", mas depois de ver os esqueletos lado a lado, você até acha que faz sentido e que avestruzes são descendentes diretas dos grandes lagartos.

ema ema ema
Grauuuuurrr!

Então vimos a incrível TED Talk de Jack Horner, paleontólogo das estrelas, sobre como a premissa de 'Parque dos Dinossauros' é completamente equivocada e, se você quer mesmo reconstruir um dinossauro, basta modificar geneticamente uma galinha:



Simples assim!!!! :-)

Impressionante, eu diria. Porque o argumento é convincente e vai além da mera análise de formato dos esqueletos: Horner fala sobre atavismo, enquanto namorado (que acho que gostaria de ter sido paleontólogo também) se emocionava e dava pulos de alegria aqui do lado.

Aí resolvi imaginar como seria um galinhossauro... seria mais ou menos assim:

Galinhossauro

Feliz dia dos namorados, baby.

E você sempre esteve certo sobre isso.

sábado, junho 04, 2011

A primeira turma de mutantes

Rita Lee, Arnaldo Baptista e Sérgio Dias. Qualquer coisa antes disso era O Conjunto, O'Seis, mas Mutantes não era. Brinks. Vamos falar de cinema. Afinal, estou há UMA SEMANA sem entreter vocês! Como assim?

* * *

Bom, há uma explicação e, se vocês querem saber, o filme que eu vi na 3a foi 'X-Men - Primeira turma' (me recuso a chamar de 'Primeira classe'), o filme sobre a origem de uma turminha de mutantes do barulho.

Sem spoilers: a essa altura, se você não correu no cinema no fim de semana de estreia, mesmo assim você já sabe que o filme se passa nos anos 60, o que quer dizer 'guerra fria', e isso diz uma parte sobre o que você pode esperar: January Jones está praticamente uma Bond Girl com sua Emma Frost...



...e Kevin Bacon, bem, um dos melhores vilões do cinema desde o coronel Hans Landa.


http://www.youtube.com/watch?v=7caY2tmKtcM&t=2m14s
Pulem para os 2:14, JÁ.

E pronto. É só isso o que você precisa saber. E precisa saber que os jovens James McAvoy e Michael Fassbender, respectivamente o futuro Professor X e o futuro Magneto, dão show de interpretação (ok, Bacon também - e surpreende por isso, aliás). Que é impressionante como os personagens são bem construídos - o que é muito difícil quando temos uma TURMA de personagens, uns mais protagonistas do que outros (as motivações de Fera e Mística, por exemplo, são muito bem explicadas). A relação de X e Magneto é tão bem construída naquelas 2h de filme que 2h de filme passam muito rápido.

A excelente fotografia ajuda demais. Matthew Vaughan (assessorado por vários produtores, entre eles Bryan Singer, que nunca deveria ter saído dos filmes da Marvel, e Stan Lee, SEMPRE, o que garante o controle criativo do 'pai' das criaturas e que nada de constrangedor será feito com eles) poderia ensinar aquele senhor que conseguiu a proeza de FODER com sua própria obra épica como se faz uma prequel:

George Lucas, veja direitinho como é que se faz!

No mais, isso aí que vocês andam lendo sobre 'X-Men: First Class' ser o melhor filme da franquia é verdade, vale MUITO a ida ao cinema e muita atenção à cameo appearance que, desta vez, nem é de Stan Lee.

sexta-feira, maio 27, 2011

O compositor mais nerd da internet

Dependendo do seu grau de intimidade com este grande repositório de informações e abobrinhas que é a internet, é possível que você já tenha visto o infame vídeo 'Hamster on a piano (eating popcorn)', de um sujeito chamado Parry Gripp.



http://youtu.be/nKoB8TPyHBo


É possível, até, que você já tenha visto o não menos infame 'Cat flushing the toilet':



http://youtu.be/VH1ahItTWak

Gripp deve ser um dos mais prolíficos compositores da atualidade: o cara consegue fazer música sobre tudo. TU-DO. Como inspiração, vídeos que circulam pela internet. Claro. Entre seus hits, 'Chimpanze riding a segway', 'We're Gonna Beat Your Sports Team', 'Monetize Your Pets' juntam-se a quase uma centena de... tá bom, fazer música TOSCA ASSIM é fácil, você vai dizer, e desse jeito qualquer um faz música sobre o que lhe vier a telha. "Assim, até eu". Você só não pode esquecer que Parry Grip era do NERF HERDER, a autoproclamada banda mais nerd do mundo (sim. mais do que o Weezer. Porque no Nerf Herder eram TODOS assumidamente nerds):



http://youtu.be/N61t4Z_WGgE

...e que, mesmo em, sua bizarra carreira solo, Gripp soube honrar seu passado (parece música do Nerf Herder):



http://youtu.be/bR3ndy0e--k

* * *
Em nota quase relacionada, já que é um vídeo inspirado em outro que andou circulando por aí, eis a melhor paródia da tal da banda mais repetitiva hippie bonita da cidade:



http://youtu.be/x5KhdCMdCo0

Quem já trabalhou em agência, sabe.

domingo, maio 22, 2011

Indianos sabem MESMO dançar

A dança está MESMO no sangue deste povo, não? É impressionante. Existem coreografias e figurinos no mundo, mas os indianos sempre se superam. BREAK DANCE!


http://youtu.be/Ao5CKLr9NGQ

quinta-feira, maio 19, 2011

Lia, a trendsetter

Eike Loucura

Marido anda estudando na faculdade o jeito Eike Batista de empreender. Quer aprender com o MESTRE?



http://youtu.be/UGMYiljE9ng

Tem um pdfzinho explicativo aqui. Legal pra imprimir e colocar na sala da diretoria, quando eu for diretoria.

* * *
Fãs

Está rolando o OiCabeça, parceria da UFRJ com o Oi Futuro. Na palestra de ontem, sobre a cultura de fãs, Mauricio Mota diz o que a gente já sabia: que o fã deveria ser considerado um importante stakeholder na indústria do entretenimento (e, convenhamos, processar fã porque ele remixou uma música ou escreveu uma história com seus personagens é um erro. um erro).

Nancy Baym lembra que, desde sempre, audiência é social e que, mais do que consumir o produto e ser apaixonado por aquilo, o fã socializa com outros fãs. Faz parte dessa cultura. É o mesmo princípio que fazia você colar no cara com a camisa da banda que você curtia naquela era pré internet.

Curti, vida longa ao evento, mas cheguei naquele ponto em que boa parte das palestras bacanas que vejo sobre esse tema (mais especificamente, como as tecnologias estão mudando a maneira como as pessoas se relacionam com a indústria do entretenimento) não me apresentam mais novidades, o que é, provavelmente, um sinal de que daqui a pouco está na hora de EU passar tanto conhecimento e informação acumulada adiante. Na boa? Gasto muito dinheiro em livros e muito tempo em pesquisa, tá na hora de começar a fazer uso prático disso.

Prevejo powerpoints divertidos em breve. Até porque a verdade é que vejo estudantes, acadêmicos e criativos, em geral, nesses eventos - mas o CEO ou o diretor de marketing ou comunicação, que são as pessoas que DEVERIAM entender esse tipo de mudança de relação entre pessoas e produtos (especialmente os culturais) e investir em estratégias que tirem o melhor dessas novas relações, ao invés de tentar combater, parecem ignorar. Não são todos, claro. Alguns já estão adaptados. Mas quando vejo o pessoal da velha guarda resistindo a mudanças (e a reforma da lei de direito autoral, veja você, não é e nunca foi uma proposta de acabar com o direito autoral, mas de acompanhar a mudança e obrigar empresas e criadores a adotar novos modelos de negócios), dá uma tristeeeeeza, uma vontade de dar aula pra eles...

* * *
Jumping the shark

Eduardo Escorel é um cara bom. Faz bons filmes. Tem fama de ser um gentleman. Mas sua última coluna no site da Piauí pulou o tubarão TOTAL. VOU NEM LINKAR.

* * *
Nostalgia é tendência

Nostalgia é tendência para os consumidores da geração X (34 a 36 anos), diz o observatório de tendências da JWT. A JWT!!!!!!! Pra mim, isso quer dizer duas coisas: uma que eu sou um GÊNIO DO MARKETING com a campanha que criei pro trabalho da pós que tenho que entregar na segunda, e outra que tou velha, já que MAIS UM ANO e farei parte dessa geração.

* * *
Arte em melancias

A vida não é só internet, mídias digitais e empreendedorismo. A vida também é feita de frutas e de esculturas. Isso aqui é uma das coisas mais geniais que já vi nos últimos tempos, em termos de arte.
Technicolor

"Se eu sei fazer igual ou melhor, não é arte", já dizia meu pai. Eu jamais conseguiria fazer um negócio desses, logo... é arte sim. E das boas.

domingo, maio 15, 2011

Dominguinho de preguicinha

É gripe que não chega nem vai embora, é descanso depois de um sábado em função de estúdio e show, é esse tempinho que, apesar do sol incrível da manhã, troveja que está uma delícia pra passar a tarde debaixo das cobertas, arrulhando com maridão e vendo vídeos na internet.

Uma rodada de Small Faces pra vocês:


http://youtu.be/yhyEMZkfLMo

terça-feira, maio 10, 2011

Premakes - ou "e se o original de '8 mile' fosse um filme belga dos anos 60?"

Conheço o Alexandre Inagaki desde os longínquos anos 90, na época da internet-arte, internet-moleque, internet-de-várzea. Se não me engano - mas posso estar enganada, pois as memórias daquela época já se turvam em minha mente - muito antes das festinhas que tocam Paquitas, existia a tal da lista Infancia-80, um grupo de discussão na internet formado por gente que nunca se viu na vida, mas que celebrava as manifestações de cultura pop, às vezes deveras estranhas (ou você não acha que o Fofão parece BAGOS?) às quais éramos entubados na época. Também é possível que Inagaki nunca tenha participado da tal lista, porque a essas alturas a memória me falha SIM, mas lembrar que o Fofão parece BAGOS nunca é demais.

Você NUNCA MAIS vai conseguir pensar no Fofão sem lembrar disso



De qualquer forma, esse papo todo é pra mostrar pra vocês o seguinte: você já assistiu a algum desses premakes de filmes na internet?


http://www.youtube.com/watch?v=GUPDuQq9GsM

Funciona mais ou menos assim: alguém com tanta genialidade quanto tempo livre 'remonta' um filme com cenas de filmes antigos. O resultado é como se 'Caçadores da arca perdida' tivesse realmente sido feito nos anos 50. Ou, sei lá, os Caça Fantasmas:


http://youtu.be/kAboGO9MDsQ
Who you're gonna call?

Fazia tempo que eu não via as atualizações até ver o achado do blog do Ina: e se 'Up' tivesse sido feito nos anos 60? Seria mais ou menos assim, ó:


http://youtu.be/ml9hAN5km14

* * *

Na mesma linha, mas com produção 100% original, fica também a dica da campanha 'Smooth Originals' da Stella Artois, que traz os 'originais' descobertos de '8 mile' (em uma SENSACIONAL cena de 'batalha de rimas', haha!), 'Duro de matar' e da série '24 horas' - a verdade é que é tudo filme BELGA DOS ANOS 60. Sério, sério, veja isso:


http://youtu.be/-Uhw9b6SD6w

Tem mais lá: http://www.smoothoriginals.com/main.php - essa campanha no mínimo EXCELENTE foi mais ou menos na época em que a marca começou a patrocinar festivais de cinema, aliás...
Este site está em novo endereço: visite www.liaamancio.com.br para novidades e updates!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...