Este site está em novo endereço: visite www.liaamancio.com.br para novidades e updates!

sábado, novembro 30, 2002

Quer rir MUITO????? Aqui.
Mais uma vez, obrigada, Cláudio. Tem cada uma genial. A do Cthulhu, a do Alf ("furry scum", hahaha!), a do Abominável Homem das Neves.. geniais.
Tem gente que fica de pirracinha comigo, me coloca na ignore do icq, não fala mais comigo e quando fala, é todo grosso.. não sabem o que estão perdendo, rá rá.
* * *
"There She Goes", do Six Pence Sei Lá O Quê, é lindinha mesmo, mas "There She Goes Again", do Velvet Underground, ainda é imbatível.
* * *
Alguém ainda lembra de Ben Folds Five? O que terá acontecido ao Ben Folds Five?
Vou fazer um projeto paralelo cover de Marcelo D2. A gente vai tocar "Eu tiro é onda", falando sobre a coleção de action figures de Star Wars, sobre os cds do Man.. Or Astroman, livros de física e filmes de sci-fi. O nome do projeto? MARCELO D12. Hah hah.
* * *
Felicidade é, definitivamente, um conceito bastante relativo.
Quando uma amiga te liga dizendo que tem um francês amigo dela doido pra te conhecer; outras duas resolvem comemorar aniversário em bares mexicanos; uma amiga queridíssima vai e espera sua ligação; um amigo te liga dizendo que vai ao pub irlandês que tem no quintal da sua casa; outra te chama pra ir ao cinema - e você vai dormir às oito da noite, com um sorriso de felicidade no rosto, e acorda com outro sorriso maior ainda pelo simples fato de finalmente, depois de anos, ter conseguido dormir doze horas seguidas, isso é felicidade.
* * *
Felicidade também é se sentir viva.
* * *
Felicidade é acordar e ver os recados offline e os e-mails do dia:
Sabe aquelas bonequinhas de papel para vestir? Vista sua bonequinha punk.
E esse daqui? Guerra nas Estrelas como você nunca viu. Cortesia do Haroldinho.
Tem também a Barbie de Lingerie que a Yael mandou. Ae, gatammm, quero ver esse teu piercing ao vivo, heh (até mesmo pra ver se dá pra eu fazer igual).
Ou essa aqui do meu estimado Surfista Prateado: uma espécie de Nome de Banda De Surf Music Generator. Salvou o dia. Que, na verdade, ainda está só começando (tem Glamourama e Starving Bluesmen Quartet hoje.. oba!)..
* * *
Ah, sim, meu telefone está de volta.
E os banhos de sal grosso e as velas pra minha cigana? Vão bem, obrigada.
* * *
Música do Dia? Até tem.
É "The Jackson", Nancy Sinatra e Lee Hazlewood.

sexta-feira, novembro 29, 2002

Cara, vou instituir a Semana-Hiro, do mesmo jeito que uma vez instituí a Semana Fireball de Estilo (haaah! lembram disso?).
Cada dia me aparece mais uma gracinha com o nosso vereador favorito. Ontem o próprio me lembrou da Família Dinossauro e a famosa tag "Acho que vamos precisar de outro Jimmy".
Bem, já dizia Tina Turner que "Não precisamos de outro Hiro", certo?
* * *
Olha só, meu telefone foi bloqueado por falta de pagamento.
Vem cá, esses PUTOS entendem que SIM, EU QUERO PAGAR A PORRA DA CONTA DE TELEFONE DE OUTUBRO (a de novembro já foi paga), mas para isso preciso que ME ENVIEM A PORRA DA 2a VIA que eu já pedi 3 VEZES, 4 com a de hoje?
E aí?
O que se faz num caso desses?
"Pegue sua segunda via no nosso posto de auto-atendimento no Leblon".
Eles entendem que meu horário de trabalho é o mesmo do funcionamento do posto e é obrigação DELES me enviar essa conta para CASA?
"Pegue sua conta na internet"
Sim, eu tenho internet, mas minha impressora está avariada. Como se imprime uma conta sem impressora? É muito pedir para uma segunda via que você pediu TRÊS VEZES chegar na sua casa? E agora o telefone está bloqueado. Cara, eu QUERO PAGAR ESSA CONTA, eles é que não querem receber.
Pois é, estou puxando a porra da conta da impressora aqui do trabalho. Mas seria obrigação deles fazer essa conta me chegar em dia e, enquanto eu ligo dizendo que não recebi, alterar a data do vencimento pra evitar que bloqueiem a linha, certo? Ou estou errada?? Argh, que dia maravilhoso. Vou estar enviando sua conta, meu cu. Que raiva. Ai minha gastrite.
* * *
Depois de uma noite maravilhosa como a de ontem, em ótima companhia, filmaço, boas músicas e descobri meu carro-dos-sonhos (um Opalão dragster dos anos 70/80 com cara de Matchbox) dando mole na rua e MUITO barato, eu mereço isso. Simplesmente mereço. Não, não mereço, ninguém merece. Putos. Por via das dúvidas, hoje vou tomar um bom banho de sal grosso e ervas, e acender outra vela pra minha santa - assim, a título de proteção. Banho de mar pra purificar também ajuda. E aí, Yael, a praia nesse fim de semana tá de pé?

quarta-feira, novembro 27, 2002

E por falar em Hiro, fico imaginando o cara ao telefone..
- É o Hiro..
Aí, na intimidade do lar, ele porta uma hélice nas costas e uma dinamite na mão...
* * *
Aí, num momento John Malkovich, os amigos dele cantam David Bowie - We Could Be HIROS For Just One Day.. sacou?
* * *
Tudo posso naquele que me fortalece.
* * *
Esse filme novo do Harry Potter definitivamente não é pra crianças.
Aliás, nem pra mim. Argh. Serpentes.
* * *
"Vejo à noite uma estrelinha
no céu, brilhando, brilhando
mamãe diz que ela de noite
pisca pisca me chamando

quando eu crescer
e papai me comprar um avião
vou te buscar, estrelinha
na palma da minha mão!"

(Autor Desconhecido)
* * *
Isso é só porque não lembro direito daquela da Caixinha de Reserva, do cotonete, que terminava com um "uns usam na orelha/ outros usam no dedão/ e a criança, coitadinha, quando vê, fica na mão/ pra evitar essa tragédia, uma grande solução/ a caixinha de reserva (esqueciesqueciesqueci)/ todo mundo tem carinho, tem cuidado e proteção!". Mas recitei isso ontem e foi comovente.
Pode botar 1985 aí.
* * *
Aí ocorre que chorei ouvindo "Hollywood", da trilha sonora de "Os Saltimbancos Trapalhões", com o Los Hermanos tocando.
Foda, assim, digamos.

terça-feira, novembro 26, 2002

Hiro manda avisar que os CRAMPS VOLTARAM. Tá lá, na coluna do André Barcinski. Esse japonês (o Hiro) sabe mesmo como fazer uma mulher feliz!
* * *
É, estou cansada. Consegui dormir bem e bastante de ontem pra hoje, a manhã pro pessoal do Clube Amigo Irmão Caminhoneiro foi mais ou menos opcional, mas meu corpo está cansado e a mente ainda não está funcionando a pleno vapor.
Tudo bem, era isso mesmo o que eu queria. Há mais ou menos um ano e meio atrás, quando meu novo amigo disse que trabalhava aqui e eu disse "opa, encaminha meu currículo pra lá!" e ele riu, e eu nunca iria imaginar que estaria aqui hoje. Nunca iria imaginar que seriam tantas responsabilidades além da minha função (coisa que incomodava o distinto, que acabou saindo, mas que eu adoro), nunca imaginei que teria tanto tesão num trabalho como tenho nesse.
Agora estou lidando diretamente com gente. Minha mãe, puxando meu mapa natal há anos atrás, disse que eu devia lidar com gente, que eu lido bem com gente, que uma das minhas funções no mundo é lidar com gente. Agora tenho um trabalho dinâmico, que pode se tornar fisicamente desgastante, mas que não dá sinais de que pretende cair na rotina. Estou aprendendo coisas, aprendendo sobre produção gráfica, aprendendo na prática o que aprendi sobre produção de evento na faculdade, aprendendo a lidar com situações novas. Estou produzindo aqui e, conseqüentemente, a mente agora trabalha a mil em casa - é realmente estimulante. Pra não falar que a época de maior pique aqui foi exatamente quando eu precisava meter a cara no trabalho pra não pensar besteira e não fazer besteira. Consegui abstrair do fato de que tudo aqui, desde o log no icq-corp (que ainda era o do ex) até as comparações (ambos esquisitos, branquelos, de cabelo pintado, opiniões fortes, ouvindo sons pouco convencionais) me lembrava a situação chata que estava passando, meti a cara e estamos aí: o trabalho está sendo elogiado, todo mundo está satisfeito com o desempenho da equipe, fala-se em cursos de especialização e incentivos. E eu estou forte, enfim. Porque vivi e respirei empresa durante dois meses seguidos, me centrei no que estava fazendo e ontem, vendo os resultados (e hoje, ouvindo os parabéns pelo nosso esforço), entendi que é isso mesmo, estou no lugar certo.
Pra sempre? Não, nada é pra sempre, já dizia algum tradutor de títulos de filmes.
Mas é o trabalho certo na hora certa, os contatos certos, o lugar certo. Os melhores colegas de trabalho do mundo, os melhores contatos pra eu chegar onde quero chegar. Pra não falar, é claro, dos benefícios de se trabalhar NESSA empresa em especial. Não, acho que vocês não estão entendendo, rola uma elevação da auto-estima quando eu saio do trabalho de escova no cabelo, ou depois de uma puta massagem na cabeça. É terapêutico.
É. Estou feliz com meu trabalho. Espero que vocês estejam, ou fiquem felizes muito brevemente. Mas é que, mais do que um bom ambiente, isso daqui tem me ajudado demais, demais.
Agora deixa eu ir que a vida não é só trabalho e um bom filme-pipoca me espera.
* * *
E Simony não pára!!!
Ela está grávida de dois meses e meio, e acaba de dar depoimento sobre sua má interpretação em "Turma do Gueto", da Record... isso é que é classe!!!
36 horas seguidas acordada.
Sendo que as últimas 15 foram de trabalho, trabalho, trabalho.
O corpo pede arrego, mas a cabeça e o ego vão muito bem, obrigada.
* * *
Por que eu tenho uma tatuagem dos Pixies:
Eles vão de "Lá vem teu homem" a "Lá vai minha arma" em questão de minutos, sem soar nonsense.
* * *
Por que eu amo Velvet Underground
Porque eles vão de "Lá vem ela agora" a "Lá vai ela de novo" em questão de.. ah, Lia, chega.
* * *
Dormir.
Música do dia: "Video Killed The Radio Star".
Clássico.

segunda-feira, novembro 25, 2002

Orson Welles
Rosebud. (dies)

Reporter
What does it mean?

Everybody Else
We don't know.


Isto foi "Cidadão Kane", conforme o site Movie-a-minute.

domingo, novembro 24, 2002

pinta de gringa
Eu sou branca. Muito branca. Do tipo que ouve piadinhas por causa do tom de pele. Pinto o cabelo de vermelho. Muito vermelho. E está curto, assimétrico, como as pessoas não têm lá muita coragem de fazer por essas bandas. Minha constituição física é média, mas eu não faço o tipo mignonne - tenho quadris largos, coxas grossas, postura de gente grande. Não me visto de mulher brasileira, minhas tatuagens parecem saídas de uma máquina de caça níqueis de Las Vegas. É, eu tou pedindo.
No meu quarteirão tem um hotel. Atravessando a rua, mais dois. No caminho para o trabalho, passo por mais três hotéis. De lá, vejo mais dois. É a área DELES, não a minha.
Então porque ainda me incomodo se alguém vai me perguntar alguma coisa na rua e, antes de pedir a informação que queria, pergunta se eu falo português? "Hablas português?" "Speak portuguese?" Sim, pode falar, sou, sou do Rio de Janeiro mesmo. Nasci logo ali, em Botafogo. Que raios..
* * *
Todo adesivo de carro merece um "foda-se".
Conferir aqui.
Se bem que ele agora clama pelo direito à paternidade da idéia.
Quer saber?
Foda-se, heh. ;)
* * *
Olha só, esse lance de blog está me deixando emocionada. Em quase dois anos de Boneca várias coisas já aconteceram, achei pessoas perdidas, conheci gente interessante.. mas essa de hoje foi foda. Quase chorei de emoção. Carajo. Vou ali escrever um conto sobre isso e já volto.
* * *
Macacos me mordam se depois dessa maratona de costureira no fim de semana eu não for reconhecida como grande estilista - que, aliás, não sou.
Ok.
Mas que sou extremamente prendada, isso é FATO.
* * *
E como eu estou feliz, contente, radiante e sou PRENDADA (heh heh), mais dois sites-fofura pra vocês:
Um, dica da minha irmã, é o Eu Adoro Porquinhos, montado por ninguém menos do que o Bruno Gouveia, do Biquíni Cavadão.
O outro é o site do Ursinho Morgan que, confesso, só descobri hoje. É pra ler TUDO e terminar a leitura purificado de todos os seus pecados (vai ter um monte de gente indo lá só pra não precisar se confessar domingo que vem, né? Eu seeeeii...). Reza a lenda de que o cara é um dos maiores spammers de blog que existem por aí. Que seja, estou rindo pra caramba... mmmeeeeeeellllllll!!!
* * *
Repararam no lance das curiosidades ali à esquerda? Peguei no La Dolce Vita, blog do Miguel, que acabou de deixar recado aí embaixo. Tou falando, esses contatos que a gente faz por causa de blog (principalmente num blog não pop, onde praticamente só entra quem procura algo que tem aqui ou quem pegou o link indicado por um amigo) são mesmo geniais.
* * *
Dane-se a cadeia alimentar.
Odeio cupins. Cupins voando na luz, cupins caindo em cima de você, a lembrança da bacia de água no meio da sala, a alergia que suas asas me dão. Argh. Cupins.
* * *
Preciso acender a vela pra minha santa. Preciso ir no armarinho arrumar umas fitas (aguardem fotos das minhas criações na 3a feira!). Amanhã eu morro para o mundo, é dia de festa de encerramento do Fashion É Doar III e, junto com ela, minha prova final pro curso de Caminhoneira/ Peão de Obra. Mas vai valer a pena. Aguardem relatos na 3a feira. Bom fim de semana pra vocês.

sábado, novembro 23, 2002

Se eu disser que "hoje não posso porque tenho umas costuras pra terminar", vocês acreditam? E que eu acabei de falar com a Débora Secco no celular dela (e além de tudo, a menina é uma simpatia), acreditam também? Pois é. Meu roteirista está de sacanagem com a minha cara, como provado no post para aquele outro blog onde escrevo (aquele que não vou colocar aqui, se você quiser muito saber, me pergunta), alô-ô, roteirista, quero meu amigo de volta! Essa história dele ficar de frescura comigo já deu o que tinha que dar, vai cansar os espectadores - e se eu mesma tiver que provocar o plotpoint não vai ser legal, então é melhor que a equipe de produção decida por mim.
Por outro lado, meu roteirista me apronta umas boas de vez em quando. Aqui, temos uma trama paralela produzida por Aaron Spelling. Ali temos um filme de arte do Andy Warhol, isso mesmo! E logo ali tem um argumento sendo estudado, não se sabe ainda quem vai dirigir, mas sabe-se que a trilha sonora é uma banda de garotas caminhoneiras (muito femininas, por sinal) fazendo cover de "We're not gonna take it", do Twisted Sister, e falando sobre álcool, carros, homens e bagaceirices.. um sucesso!
* * *
Gente, que legal! Os objetos escolhidos para eu olhar existem!
Como eu ainda não tinha visto isso??
O site novo do Zumbi do Mato. Ficou foda, muito bom, muito bom. Vão lá. Agora com novas fotos, da nova formação. Depois baixem "Bufufú" na seção de mp3 e cantem todos comigo... LEMBRANCINHAAAAAA!!!
* * *
Sabia.
Lógico que minha história travou mais uma vez - é pra me impedir de ir pra frente, chegar lá no fim e descobrir que esqueci do McGuffin, O Clichê Fundamental.
Aliás, esse site sobre a arte de escrever para o cinema é foda. Como diria o Manifesto Antropófago, "Roteiros. Roteiros. Roteiros. Roteiros. Roteiros. Roteiros. Roteiros."
* * *
Eu tenho uma irmã de 12 anos que me manda coisas como essas aqui: ILoveEgg.com, forte candidato a site mais fofo/ mimoso/ cúti-cúti/ dudududu/ purrrrrrr/ wooohhnnn do mundo.
Pensamento do dia:
"Klaatu Barada Nikto"
* * *
Site do dia:
S.O.S. Cinemateca. O Arquivo Nacional recebeu parte do acervo de filmes, mas ainda tem coisa jogada lá, sem ter o devido cuidado, sem a preocupação com a preservação do material. Isso é triste, muito triste - ainda mais pra mim, que tenho uma relação afetiva com a Cinemateca do MAM (é, já trabalhei lá).
Amanhã, domingo, às 14h, haverá uma manifestação no local. Seria interessante que todos pudessem ir.
* * *
Só a Antropofagia nos une. Socialmente. Economicamente. Filosoficamente.
Uma das coisas mais lindas que já li na vida chama-se Manifesto Antropófago, escrito por Oswald de Andrade, "no ano 374 da deglutição do Bispo Sardinha". E eu te digo, esse manifesto me influencia até hoje.
Porque o que eles chamavam de antropofagia era exatamente isso: "comer" influências de fora e regurgitá-las a nosso modo, com nossa linguagem, não apenas copiar a cultura de fora. Acho isso genial, e ainda jogaria aí as influências temporais, além das geográficas. De certa forma, me identifico com isso, com o ato de reunir referências numa panela, misturar tudo e sair um produto novo, sem cara de déjà-vu - minha vida é mais ou menos assim, minha produção artístíca é totalmente assim, as coisas de que gosto são um bocado assim.
* * *
"Klaxon cogita principalmente de arte. Mas quer representar a época de 1920 em diante. Por isso é polimorfo, onipresente, inquieto, cômico, irritante, contraditório, invejado, insultado, feliz."
* * *
Não por acaso, meu texto novo chama-se "O Furo de Mário de Andrade (a verdade por trás da catedral de Ruão)".
De novo, naquele esquema "só coloco link aqui se não sair em nenhum lugar".
* * *
Eu sou uma Fender Telecaster.
"Your warm tone brings out a smile on anyone who's fingers touch your strings."
E você? que guitarra você é?

sexta-feira, novembro 22, 2002

Sabe por que ele é um dos meus melhores amigos? Porque quando eu digo que estou o dia inteiro ouvindo uma música meio desconhecida de um filme esquisito, ele me diz que a banda dele toca isso.
* * *
O NOME DELA É WALDEMAAAAAR
Piu Piu de Marapendi.
Se você acompanha esse blog há mais tempo, deve saber que eu adoro esse freak, cujo maior sucesso foi o clássico "Eu hoje vou me dar bem", paródia tosca da Blitz. Piu Piu de Marapendi tinha também outras músicas geniais, como "Vou parar de beber" e "Ela foi embora". Se você é meu amigo pessoal, já foi obrigado a ouvir isso milhões de vezes e já riu muito às custas do "aí gente boa, não dá ouvido a essa mulher não que ela é maluca, morou?"
Piu Piu de Marapendi, lógico, não se chama Piu Piu de Marapendi, e sim Romilson Luiz.
Esse nome não te é estranho, certo?
Lógico. Piu Piu, ou melhor, Romilson, fundou a Rádio Cidade (RJ) em 1977 e foi locutor e diretor de programação até 1989, quando saiu para montar a Antena 1 Light FM junto com Eládio Sandoval (outro nome conhecido do dial carioca).
Pois é. Mais uma vez, Boneca também é cultura. Cultura inútil, eu sei, mas não deixa de ser cultura.
* * *
Freak Magnet parte 1
Eu atraio coisas estranhas e incomuns sim, mas eu procuro.
No dia em que esbarrei com esse compacto, pirei na capa tosca e não pude evitar de desembolsar meros 50 centavos pra ouvir em casa:

E, apesar do visual camp do freak, o som é róóóque. Depois que me toquei: Captain Sensible é ninguém menos do que o guitarrista do The Damned, clássica banda punk/ new wave que tia Lia recomenda enfaticamente que seus leitores ouçam.
Pra quem conhece, beleza. Pra quem quer referências, "Generals" é uma boa pedida, e "New Rose" é conhecidinha por aqui, o Guns fez cover no "The Spaghetti Incident".
* * *
Esse blog está com idéia fixa de Guns And Roses essa semana ou é impressão minha?
* * *
Freak Magnet parte 2
Sabe por que eu amo o Gabriel Lollypop?? Porque depois do sucesso retumbante da fotonovela de "Festa do Amor", ele me sai com a fotonovela de "Manequim", do Dominó. Sigam o link.
* * *
Vou contratar a Ana Laura pra ser minha assessora de imprensa gata. E aquela foto do Cramps no blog dela é tudo.
* * *
Entraram aqui procurando a letra de "Jocko Homo", do Devo. Como eu sou boazuda, quer dizer, boa, estou liberando o link com todas as letras do Devo.
Meu lema é Servir bem para servir sempre.
* * *
Também entraram aqui procurando por "Zappa Karaokê".
Escuta: quem quer que você seja, que quer fazer karaokê do Frank Zappa, não deve regular muito bem.
Ou seja, legal, cara. Me escreve. A gente pode desenvolver uma longa e duradoura amizade.

quarta-feira, novembro 20, 2002

Ferris Bueller deve estar rindo por dentro
Jeffrey Jones, nosso eterno Ed Rooney - e outros caras escrotos do cinema, como o Charlatão de "Ed Wood" e o vilão de "Howard, O Pato" - foi preso no começo da semana por posse de material de pornografia infantil e acusado de alguma coisa relacionada a um garotão de 17 anos. Jones pagou 20.000 dólares de fiança, foi solto, mas está sob investigação.
Se liga que o oficial da LAPD que cuida do caso se chama Gabrig, quero dizer, Jason Lee.
* * *
"Howard, The Duck" - o filme, baseado numa HQ, conta a história de um pato alienígena que cai na terra e precisa salvar nosso mundo da maldade do dr. Walter Jennings, um cientista maluco. No meio do caminho ele conhece Beverly, aspirante a rock star.
1- Saca o laquê no cabelo de Leah Thompson:

Mas nem em "De Volta Para o Futuro", passado nos anos 50 apenas um ano antes, ela era assim!!
2- Caso vocês não se lembrem, ela tem um CASO com o pato. Seria freak demais da parte dos produtores mostrar a cena de zoofilia, mas rola a cena clássica (???) dela indo para a cama com ele. Medo, pânico, horror. Na foto acima, já rola uma certa tensão sexual no ar.
3- Os produtores. George Lucas. Ok, o filme é de 1986, época de perdeção de linha mesmo.
4- Não dá pra chamar esse filme de tosco. Os efeitos são da IL&M.
5- Thomas Dolby (aquele que canta "She blinded me with science") fez as músicas para o filme e faz uma participação como barman.
* * *
COURTNEY LOVE NO GUNS AND ROSES?
Segundo o World Entertainment News Network, Slash, Duff McKagan, Izzy Stradlin e Matt Sorum, que não podem mais usar o nome antigo da banda mas ainda podem tocar juntos, procuram um vocalista mezzo Joan Jett, mezzo Janis Joplin, com um quê de Tina Turner - e acharam o que queriam na eterna viúva de Kurt Cobain, a recauchutada Courtney Love.
Verdade ou não, isso soa bizarro.
* * *
Haroldinho indaga: "Por que diabos toda garota que tem blog fala de gatos?"
Boneca responde: aqui só se fala mal da Hello Kitty.
De qualquer forma, para acabar de vez com o estereótipo fofo dos felinos ("Tu tem alguma coisa contra os felino?", já dizia Piu Piu de Marapendi em seu crássico "Eu hoje vou me dar bem"), tem essa página Meankitty.com, a página dos gatos MAUS.
Esse aqui, Dali Lama, é mau bragarai:

* * *
Lia também é informação.

terça-feira, novembro 19, 2002

Tem tanta coisa surreal acontecendo ultimamente que tive que fazer isso - mudar o título e a tag ali à esquerda, na descrição do blog - e dou ao Daniel os créditos por me fazer lembrar dessa série genial, que é meu único termo de comparação com a realidade.
* * *
Então é isso.
Bem vindos a outra dimensão. Porque tá foda, se eu contar ninguém acredita.
* * *
"To the wishes that come true, to the strange, mystic strength of the human animal, who can take a wishful dream and give it a dimension of its own. To Barbara Jean Trenton, movie queen of another era, who has changed the blank tomb of an empty projection screen into a private world. It can happen - in the Twilight Zone."
* * *
Sobre a tempestade de ontem: baby, você nunca me decepcionou. E está cada vez melhor.
Oração
Odin, cale a boca de seu filho.
Eu tenho muito medo desses roncos.
Thor, por favor, pare.
Essa brincadeira não tem a mínima graça.
E esse sonoplasta escroto que não cessa de sacudir essas folhas gigantes de alumínio
E o céu que não pára de cair.
Perdeu a graça. Ça suffit. Chega.
Amém. Pronto. Agora acabem com isso logo.
* * *
E, aos outros deuses, chega de conspirações. Estou farejando mais uma.
Alô-ô, roteirista..
O argumento me parece ótimo, mas esse plotpoint acabou de virar a história de cabeça pra baixo mais uma vez. Muito provavelmente é uma falha no roteiro, um diálogo mal escrito ou algo do gênero. Segundo Syd Field, o homem-referência para roteiros-padrão, enxutos e básicos - aquele que o bom roteirista aprende a copiar para depois fazer totalmente diferente, porque é necessário conhecer os padrões para romper com eles -, são necessários apenas 6 plotpoints durante a história para manter a atenção do espectador - e o que era um filme do David Lynch virou um episódio de Barrados No Baile, que provavelmente vai se desdobrar na cabecice de um Antonioni.
Tudo por causa de um diálogo de filme de suspense de segunda linha seguido de outro de filminho da Penny Marshall.
John Hughes, que é bom, nada.

segunda-feira, novembro 18, 2002

Classificados
Alguém me arruma o roteiro de "Coffee & Cigarettes III (Somewhere in California)", do Jim Jarmusch, com o Tom Waits e o Iggy Pop de protagonistas? Não tem no Script-o-rama.com (uma das melhores fontes de roteiros na internet, se não a melhor), não acho em lugar nenhum.
Hein? Hein? Alguém sabe, alguém viu? Preciso de um diálogo do filme, na verdade.
Ficarei eternamente agradecida.
* * *
Groovy Is My Middle Name, Baby!
E depois desse teste, não preciso fazer mais nenhum. Nunca mais:

Which Diesel Sweeties Character Are You?

* * *
Escuta, deu em algum lugar do UOL que Caetano Veloso cogita regravar alguma coisa do Nirvana em seu próximo disco (quem mandou a notícia foi nosso estimado Rodrigo Melão, que sumiu). NÃO, OK?? Não. PEDÂNCIA (existe essa palavra??) tem limites. Eu aposto no clássico "Smells Like Teen Spirit" - dá pra ouvir a voz de Caetano fazendo "hellooooo hellooo hellooooo how loooo-ooow" como quem canta "o pintor Paul Gauguin amou a luz da Baía de Guanabaaaaaara".. dá pra ouvir claramente a entonação, aquele tremolo na voz... aie. Que medo da Regina Duarte que nada, eu tenho medo é do Caetano.
* * *
Elogio do dia:
"Tinha uma menina toda de vermelho que parecia a Elis Regina em começo de carreira".
Ganhei pra hoje.
* * *
Cara, eu tenho um vizinho guitarrista. Um ou mais, não sei, mas já mencionei a existência dele aqui uma vez, se não me engano. Se for o mesmo, é um que passa as noites arranhando o tema do "Poderoso Chefão", e mês passado comprou um pedal, eu sei porque agora o som vem distorcido. Hoje ele descobriu o riff de "Iron Man". Ainda vou descobrir de onde vem esse som, e ensinar a figura a tocar "Wipeout". Sério. Questão de honra.
* * *
Sabe um lance que deu saudades de ouvir? Luscious Jackson. Sabe outro lance que deu saudades também? Pizzicato Five (lindo, lindo, rolou Pizzicato Five hoje no trabalho!). Sabe outro lance que não ouço há muuuuuito tempo? Björk. Mais precisamente "I Go Humble". Quem conhece a música entende. É linda. Isso não vai prestar, daqui a pouco começo a ouvir David Bowie pós "Outside", Sleeper, Tori Amos e Saint Etienne e volto no tempo mais uma vez, agora para 97/98.
Tou falando, isso não vai prestar.
Mas. hmmm... quem disse que eu presto??
..e finalmente consegui assistir a "Sapato Musical" antes que saísse de cartaz.
Não posso dizer que a peça me influenciou a alguma coisa, uma vez que parece até que eu fui influência para a história da garota que, influenciada pelo pai, cresce fã de musicais da Metro, em especial os de sapateado, e espera pacientemente seu Fred Astaire. Até os óculos ovais de aros grossos que a protagonista usa me lembraram os meus. Até o fato de, um dia, ser obrigada a achar sua fé em algo, bem, até isso eu colocaria no pacote - lógico que essas crises existenciais são passadas para a petizada com muitas gracinhas e músicas, mas a gente sabe bem como é isso.
A diferença fica no fato de que na peça, todo mundo é realmente sem-noção. A garota realmente pira e vive a realidade dos filmes que ela gosta, mas ela surta, ela é esquizofrênica, fica frente a frente com Deus, entra no filme do Mágico de Oz e, como é um musical infantil, ninguém diz que ela é maluca. Tudo bem.
O mais legal é que a ala de meia idade pra cima identificava uma ou outra referência mais pop, "Singing In The Rain", "The Way You Look Tonight", mas eu pesquei "Swing time", o Vô Jongo (claríssima referência a Bo Jangles, que inclusive é citado em "Bojangles of Harlem", filme/música-tema com Fred Astaire) e várias outras - coisa de quem tem isso como objeto de devoção e pesquisa. Ou seja, estou achando que não tem muita diferença entre eu e a guria da peça não...
* * *
À noite, foi a vez de "Madame Satã".
Minha pessoa precisa falar mais alguma coisa sobre a drag mais macho do Rio de Janeiro? Sobre o fato de que a rainha da Lapa era pobre, fudida, mas era um poço de cultura e tirou seu codinome de um filme de Cecil B. deMille? Há alguma coisa sobre os diálogos perfeitos e altamente espirituosos que ainda precise ser dita? Tem necessidade de falar qualquer coisa sobre a trilha sonora, cheia de sambinhas da época em que se dançava coladinho, e não com bundas gelatinosas rebolando ao vento? Você sabe que o filme é aquela fase da vida de João Francisco dos Santos antes de virar o homem, o mito, a lenda, não sabe?
Bem, precisa dizer sim. Precisa dizer que, logo de cara, você ouve "Nuit D'Alger", de Joséphine Baker, na voz da Renata Sorrah - e que na verdade, se João Francisco dos Santos é Madame Satã tal qual conhecemos/imaginamos, é porque ele é fã de Joséphine, a mulher mais perfeita das galáxias - e espero em deus que o filme traga à tona o interesse pela dançarina/atriz/cantora americana radicada na França, aquela do sorriso lindo e da saia de bananas. Por que, sabe, eu gostaria de ter assunto com as pessoas, e às vezes me parece que só eu gosto de Joséphine Baker por essas bandas. Mas gosto mesmo.
Se o artigo que escrevi sobre Joséphine (antes de saber que ela é altamente citada no filme mais hype do mês) não sair essa semana, me cobrem que eu posto o link direto aqui. Mas por enquanto, fiquem com a página de fotos da belezura. É o tipo de página que vale a pena ter no bookmark e no coração.
* * *
Vem cá, o fato de ter um emprego fixo numa empresa que se orgulha de estar crescendo e de que as duas únicas pessoas que saíram em alguns anos foi porque quiseram; de morar sozinha, saber me virar sozinha e ter meu próprio apartamento, onde não pago aluguel; o fato de saber (e gostar) de ler e escrever; ter um gosto musical variado/diferenciado e uma gama de referências culturais, digamos, abrangente; de ter passado por situações difíceis durante a adolescência e superado com maestria; definitivamente não ser baranga nem mal ajambrada, falar dois idiomas além do português, manejar furadeira, guitarra, castanholas, fogão; gostar de sexo hardcore.. afinal, isso assusta as pessoas? Ou os meus padrões de relacionamento (e no caso, estou falando apenas de amizades e pessoas que eu deixo entrarem no meu mundo/ na minha casa) é que são altos demais?
De fato, meu círculo social está cada vez mais restrito (periodicamente faço uma faxina e deixo pouca gente), e o afetivo, então, vai a zero (os caras fogem ou não se aproximam. Minto. O último que se aproximou, há umas duas semans, tem algo que eu considero um problema SÉRIO e por isso não me deixo envolver).
É sério, gostaria muito de uma opinião sobre o assunto. Alguém se habilita?
(como diria a Cecilia na época do Consultório, "se não der certo, pelo menos não paguei consulta")

domingo, novembro 17, 2002

conheça o Saleiro Ninja (thanks Jig):

* * *
Se você mora no Rio de Janeiro, mais precisamente entre Leme, Copacabana, Ipanema e Leblon, tenha uma bicicleta sempre à mão.
Se você já tem uma bicicleta à mão, use-a com freqüência.
Sons recomendados (mas é lógico que você pode mudar de acordo com seu gosto pessoal):
- De dia: Devo, Los Djangos, Surfaris, Ventures, The Shadows, Beach Boys na fase garotas/carros/praia, Anette Funicello, Weezer, coletâneas de ska, trihas sonoras de filmes do Elvis, obscuridades e tosqueiras dos anos 60 - Brigitte Bardot cantando, por exemplo..
- À tardinha: Trilhas sonoras de seriados japoneses dos anos 60, ABBA, punk rock e todas as suas variações, Pixies e todas as suas variações, rockabillies dos anos 50 e dos anos 80 (de Johnny Burnette trio a Stray Cats, passando por Jerry Lee Lewis, Janis Martin, Wanda Jackson, Carl Perkins, Sonny Burgess, Big Bopper, Barbara Pittman e os irmãos DiMaggio), Van Halen, Kiss e congêneres, country music e tributos country a astros do hard rock (leia-se "ouça Hayseed Dixie, ouça Hayseed Dixie"), Crosby, Stills, Nash & Young.
- À noite: sons mais classudos - Brian Setzer Orchestra, Benny Goodman, Glenn Miller, Count Basie, Tommy Dorsey, cantoras e cantores dos anos 30 e 40, Beach Boys na fase Pet Sounds, Les Brown com ou sem Doris Day, Andrews Sisters, Al Jolson e muito, mas muito Johnny Cash (que se enquadra em Country para ouvir à tardinha, mas é classudo até não poder mais).
É isso. A sensação de leveza e felicidade depois de uma dessas não tem preço.
Post Scriptum: Este post foi escrito em duas vias: antes de dormir, e horas depois de acordada. Quem leu das duas vezes, pode apontar os sete erros.
* * *
1- Não fui para a Bunker.
2- Não perguntem.
3- "Somos um casal de quatro".
4- Giglio, superaram a gente. Se bem que.. ainda não. Pega aí:

5- Muy rico. Muy guapo. (papo de icq)
6- Orar para os Deuses do Constrangimento realmente funciona e não só te tira de saias justas (uma ajudinha da Santa Yael e do Casal de Quatro também) como ainda te deixa situações agradáveis - e foi o que eu disse há algumas semanas, um dia ainda vamos rir disso tudo.
7- Bye and good luck, huh - aquele pub vai ficar mais triste.
8- Leme 22010. Eu sou a Kelly.
9- a Kelly Key.
10- e rolou o primeiro encontro não-oficial do Toynbee, pela primeira vez com 4/5 da banda. Bizarro.
11- lml pra vocês. Variante: \m/
12- entre outras coisas, por que eu gosto do Gabrig:

E agora vamos escrever de verdade.
Pombos.
Pombos são sujos, transmitem doenças e não têm senso de orientação. Pombos te acertam de cima. No fundo, não faço questão de que eles sejam mortos - até porque desviar e limpar o sangue dá trabalho. Só gostaria que eles fossem erradicados da Terra - e dane-se a cadeia alimentar.
Aliás, porque a pomba é um símbolo da paz? Pombo é o inferno. Porque não um hamster ou uma chinchila da paz? Um ornitorrinco da paz?
As pessoas são estranhas.
* * *
Eu sei que as pessoas são estranhas - minha família é estranha. Meu irmão bem observou que, se somos um Estado laico, por que o presidente deve jurar sobre a Bíblia Sagrada? E por que tem escrito "Deus seja louvado" em nosso papel-moeda? Aí, meu irmão é foda.
Eu gosto dos almoços em família porque a gente perde a noção. Minha mãe falava sobre raças alienígenas e falávamos sobre acreditar ou não em algo que você não tem provas, apenas em relatos de outras pesoas. Lembrei que tem gente que confunde sonho com viagem astral e entra numas de que realmente viu algo quando na verdade estava apenas dormindo - tudo isso pra dizer que sim, acredito que não somos a única forma de vida inteligente no universo (onde o conceito de inteligência é bastante vago, porque a humanidade é burra mesmo) mas que não, não acredito que pessoas vejam ETs e tenham chips implantados no pé - embora minha mãe insista que sim, tem uma amiga dela...
O problema é que sou extremamente cética em relação a essas coisas: a minha explicação física para o mundo é a teoria da Maya - se tudo é energia (ler Teoria das Supercordas), é grande a possibilidade de isso que você vê não ser real, mas ser energia em estado tão denso que parece real, quer dizer, é real, mas você cria o mundo que quer/acredita ver - e a partir do que VOCÊ plasma, tudo se torna real. E é aí que me traio: existem explicações pra isso SIM, logo, por que não acreditar? Mas aí sou obrigada a aceitar que, a partir do momento em que você consegue manipular energia (e eu consigo, já fiz isso, Reiki é a canalização da energia com as mãos), você consegue manipular a realidade.. sacou?
* * *
O que importa é que amanhã devo ter companhias para ver Roberto Carlos na praia.
E que esse tal de LIB (aquele substituto adesivo do sutiã) realmente funciona. BOOBIES!!!

sábado, novembro 16, 2002

São vocês que estão fazendo isso? Agora não passo um dia sem receber um spam-istáile. O de hoje foi a propaganda dos Tomates Ibiúna. A página é ótima mesmo, fala tudo sobre tomates, dá receitas.. aliás (vocês sabem, eu sou dona-de-casa com orgulho), a dica do dia são as pastinhas Rupo - umas pastinhas de soja que vendem na Mundo Verde, tem de vários sabores e são bem gostosinhas. As minhas preferidas são a de espinafre, a de cenoura e a de páprica, e anteontem descobri a de molho rosé com orégano.. esse post todo é pra dizer que essa pasta de molho rosé é feita com pimentões, e não com tomates. Fica uma delícia.
* * *
Gabrig e Rachel, obrigada pela noite espetacular de ontem.
Aliás, "Fale com Ela" é maravilhoso - e, por incrível que pareça, até a inserção de Caetano Veloso fez sentido.. se é que alguma coisa num filme de Pedro Almodovar pode fazer sentido.
* * *
Pode. Tudo ali faz sentido, e nada me soa mais tão bizarro e/ou absurdo. NADA, principalmente no tocante a relacionamentos interpessoais. Sabe o que é? É que cada dia algo ou alguém me aparece com uma história mais estranha. Então concluo que tudo pode acontecer.
* * *
E como tudo pode acontecer, depois do primeiro set do Starving Bluesmen, vou pra Bunker. NÃO ME PERGUNTEM. Não gosto da Bunker, mas hoje tem Lasciva Lula, que é muito bom e eu nunca vi ao vivo. Tem a Clax, primeira dama do London Burning, de quem morro de saudades. E tenho alguns motivos pra... deixa pra lá. Ando por demais inconveniente, e hoje vai ser dia de saia justa - não minha - e eu sei disso e quero evitar. Sei disso porque estou há um bom tempo "apertando" uma certa figura pra me dizer o que tem acontecido em sua vida ultimamente, e a criatura sai pela tangente, não me fala nada, finge que nada está acontecendo (detalhe: só pra mim) - e não faço mais do que minha obrigação em agir de acordo com as informações que ele me dá, certo? Quero evitar porque gosto da criatura o suficiente pra não querer deixar climinha ruim no ar, mas pensa bem, todas as informações que ele me deu até hoje mostram que.. bem, Vossa Realeza não vai me ligar até a hora do show pra avisar "Lia, vou te dizer o que está acontecendo comigo, gostaria que você entendesse (eu entendo, seu freak. não entendo é você querer me esconder, só isso!). Então, bem, vou continuar fingindo que não sei de nada até ouvir da própria boca do distinto a história TODA, que ele faz questão de me esconder por algum motivo.
E enquanto meu amigo, que me prometeu que "não, Lia, você não vai perder o amigo", não me enxergar como amiga de novo (coisa que SEMPRE fui, mesmo quando.. bem, deixa pra lá) e ficar cheio de frescuras comigo, vou continuar agindo como ele provavelmente quer que eu aja, já que está agindo assim comigo. E vou pra Bunker antes que a merda no ventilador se espalhe pelo pub todo, que já é pequeno...
* * *
Post Scriptum - pra deixar BEM claro antes que venham com julgamentos sobre o assunto (e principalmente gente que está dentro da situação), o que me incomoda não é o que está acontecendo, absolutamente normal e compreensível. É a atitude do cara em relação a isso e em relação a mim... e fim, ok? Morre aqui. No meu blog, eu mando, e quero falar de coisas boas, heh.
* * *
Olha que fofo o banner que eu fiz há um tempão pras minhas irmãs:

* * *
Niterói, lá vou eu. Sweet Home Alabama, where the skies are so blue/ Sweet Home Alabama/ Lord I'm Coming Home to you. Niterói, a terra onde Lynyrd Skynyrd é rei. Onde se fala "Italiano" em vez de "joelho", onde você vai na casa de sua amiga, e não da sua amiga. Niterói, meu lar. Saudosismo é uma merda.
* * *
Música do dia: "Rock Lobster", B52's.

quinta-feira, novembro 14, 2002

Porque eu sou tosca até nos spams que recebo
Muito já se falou sobre spam, principalmente em blogs. Não lembro agora em qual deles li outro dia sobre a origem do termo spam, que seria uma marca de presunto enlatado, não sei se real ou imaginária, citada em algum esquete freak do Monty Python por um grupo de vikings.
E daí que do mesmo jeito que eu tenho um ímã para pessoas freaks e situações inusitadas (situações que, infelizmente, não posso abrir pra geral, por envolverem terceiros queridíssimos - hoje mesmo me ocorreu uma dessas), bem, tenho um ímã para spams freaks. Não me basta mais abrir a caixa postal e encontrar 40 versões de "msjetson, enlarge your penis!" - agora tenho recebido propaganda de kits de espionagem, bonecos mini-me (ver post abaixo), alças plásticas para sacolas (esse teve mais gente recebendo que eu sei), e agora isso aqui: um cortador de comprimidos. Muito útil, como vocês podem notar:
Cortador de Comprimidos
dosagem certa sem riscos de acidentes

Atualmente é grande o número de pessoas que precisam cortar comprimidos cortados ao meio e que sofrem na hora de cortá-los. Com o cortador de comprimidos, esta difícil tarefa tornou-se super prática, sem perdas ou transtornos com facas e outros objetos cortantes.
Veja como funciona:


Mas eu gosto mesmo é daquela curvinha plástica de limpar língua. Eu tenho uma. Pergunta se eu uso? Não uso, dá aquela ânsia de vômito de quando você cutuca a língua, sabe? É péssimo. Mas é o tipo de objeto "tem-que-ter", não me pergunte por quê.
* * *
Pra não fugir do assunto, olha aí: o site da Polishop. Sabe, né? Polishop, a empresa que distribui todos os produtos toscos e vídeos e aparelhos de ginástica e cera de carro e kits para todos os fins e tem também aquele vestido que pode ser usado de mais de 40 jeitos diferentes... os informerciais do Polishop só perdem para os do 011-1406, mas como estes não existem mais, Polishop reina e gotas de luxo caíram do céu.
* * *
Minha pomba-gira achou o vestido vermelho. Achou mais de um, na verdade, mas ela tem andado muito parceira e preferiu não abusar do meu bolso, escolhendo um mais em conta que também ficou ótimo - e com a diferença, passei na New Disc (ex Gabriela do Rio Sul) e trouxe um cd do Al Jolson (saca "The Jazz Singer", primeiro filme falado da história do cinema? Era ele), um da Marlene Dietrich e mais um aí. Suspense. Heh. E meu cabelo tá ISTÁILE. Muito curto. Ah, qual é, ele já foi requinho, estilo Björk no Sugarcubes - está até comprido. Uns estranham, outros elogiam - porque é esquisito mesmo. Mas no geral, e como quase tudo o que eu faço/uso, o comentário é "menina.. eu não faria isso, mas em você fica ótimo!"
Então tá. Tá ótimo. Estou adorando, e é isso o que importa.

quarta-feira, novembro 13, 2002

Ah, sim. Estou na Fraude.org de novo, dessa vez falando sobre roupa de puta = roupa de patricinha. Mais ou menos o que o Johhny Luxo disse na TPM desse mês, só que meu artigo foi escrito bem antes da revista sair.. e os planos de dominar o mundo vão bem, obrigada (cadê o Alexandre Matias numa hora dessas?)
* * *
VOCÊS QUEREM ALGO FREAK?????? VOCÊS TERÃO ALGO FREAK!!!
Recebi isso ontem, por e-mail:
Tenha o seu Mini-me Baby!

* * *
É... esse tipo de coisa só aparece na minha caixa postal mesmo.
* * *
Contrariando todos os banners em 74% dos blogs que eu visito constantemente, não é você que também conhece o Hiro. É ele que conhece todo mundo.. rapaz.. vai ser popular assim no Japão.. é impressionante.. ATÉ O OSWALDO!!!!!!
(por falar em Hiro, esse post sobre os Pixies foi classe A, hein, neguinho?)
* * *
Elevador.org suspende suas atividades.
Lou Reed lança disco inspirado em Edgar Allan Poe.
"Swept Away", filme de Guy Ritchie estrelado por Madonna, tem cada crítica de chorar de rir.
Morre tecladista dos Funk Brothers.
Steve Martin apresentará a próxima cerimônia do Oscar.
Tudo isso e muito mais no Conga Conga Conga News.
* * *
Viu ali embaixo meu sofá de oncinha com minha coleção de discos dos Miquinhos? 80% da minha essência está ali, naquela polaroid.
Double e Daniell, seus lixos, estou rindo até agora do fórum que vocês fizeram aqui! Muito bom!
(onde "lixos" é uma espécie de tratamento carinhoso)
* * *
- Adoro déjà-vu.
- Eu também. Discão.
Graham Nash, Stephen Stils, David Crosby e Neil Young juntos só pode dar em coisa boa: rock/folk/country/hippie com belíssimos arranjos vocais. Pra quem não conhece, fica aí a dica.
* * *
Deu no vintededos:
"Eu tenho medo do King Diamond, e você?"
Bem, eu tinha medo de palhaços, dos caras do Kiss e um pa-vor do Pablo - aquele cara que dublava o Qual É A Música. Tinha ataques de choro, pesadelos, e no dia em que meu primo disse que o Pablo era um cara que nem ele só que de maquiagem, nunca mais quis olhar pro meu primo. Tive medo do meu pai cheio de pontos depois do acidente, mas acho que o medo dele de perder a então filha única deve ter sido maior.
Tenho pânico de cobras, mesmo em filmes, desenhadas ou imaginadas, e um medinho bobo do Christopher Walken e das cabeças sem corpo que rolam lá no trabalho pros alunos de corte treinarem.
Algumas pessoas me metem medo pelo olhar, mas isso tem mais a ver com intuição do que com medo propriamente dito.
Não tenho medo da morte, mas não faço a mínima questão de acelerar esse processo; gosto de escuro, gosto de ficar sozinha - há uns meses atrás, chegar em casa era um tormento, mas depois de uma boa limpeza (e isso não tem nada a ver com tirar poeira) isso aqui virou definitivamente meu lar, minha home sweet home (oooolha Mötley Crue!!), minha sweet home Alabama (Lynyrd Skynyrd comanda). Tenho medo de perder o chão e de perder o senso, mas isso me parece uma realidade distante.
Por fim, tenho muito medo de alguma coisa que não sei ainda o que é - o que é agoniante, uma vez que não consigo identificar a origem, o motivo ou a causa - não posso ver, não consigo tocar nem saber do que se trata, não posso combater esse medo. E isso me dá mais medo. É uma bola de neve, vamos ver até onde consigo levar.
* * *
Tem uma espécie de artigo meu sobre João Penca e Seus Miquinhos Amestrados para sair em algum lugar - se ninguém encarar, meu zine encara - e lá eu conto como eles lapidaram minha personalidade - lapidar não quer dizer formar, quero dizer que das duas uma, ou virei uma freak porque ouvia eles direto desde criancinha ou eu gostava deles desde nova porque já era uma mini-freak. De qualquer forma, dou o serviço completo, discografia, trechos de letras e muito mais, sobre A banda que influenciou 80% dos meus gostos musicais/cinematográficos até hoje.
Abaixo, os Miquinhos no meu sofá, com a capa que EU fiz, porque sou muito prendada e dona de casa exemplar:

(o Okay My Gay é o único em fita. O resto é toda a discografia oficial de Avellar Love, Selvagem Big Abreu e Bob Gallo.. rock!!)

segunda-feira, novembro 11, 2002

Frase do dia:
"É que minha pomba-gira está pedindo um vestido vermelho..."
Por não achar nada que fosse do agrado dela, acabei presenteando a dona com um cinto de oncinha e duas paçocas. Mas a saga atrás do vestido vermelho continua, ah, se continua.
* * *
Eu tou tentano. Uma hora acabo conseguino.
* * *
Coisas que a gente descobre por acaso: estou com dois artigos em destaque de capa nessa edição da Mood. Um é a matéria sobre o show do Starving Bluesmen Quartet (aliás, já vou avisando que nesse sábado tem mais!) e a outra é o nosso velho conhecido Nerds Mandam Bem, agora em nova roupagem (com foto do Johnny Lee Miller, aquele pitéuzinho). Meus planos de enganar o mundo estão num estágio cada vez mais avançado.
* * *
"Crássicos da Periferia" é um dos finalistas do Festival Telecine de Animação Para Web. Se você não conhece, vá lá conhecer. Se já conhece, vá lá dar seu voto para esses freaks.]
* * *
Mmmmhuhuehuhuehuahuaa
Peguei esse lá no blog da Star... eu não colocaria aqui se o resultado não fosse tão fofo.. sério, já vi outros resultados de outras pessoas, mas esse é O melhor:
hell%20raiser
what fucked version of hello kittie are you?

brought to you by Quizilla

domingo, novembro 10, 2002

E a música do dia é "Wherever You Will Go", do The Calling.
Gente, juro, é a Lia escrevendo. Sou eu, ó. Aqui. Eu. Não surtei, juro.
Isso é coisa do pessoal do trabalho. Não que eu goste da música (tá, é jeitosinha, e jeitosinha é aquele tipo de elogio que.. bem, vocês entendem o que é chamar algo ou alguém de "jeitosinha", não entendem?), mas é que ouvimos isso umas vinte vezes na van. Isso e uma versão bagaça de "What's love got to do", e "Vai Serjão", uma continuação piorada de "Vai, Serginho", se é que isso é possível; mas essa do The Calling virou hino, não posso fazer nada.
Ah, cara, foda-se. Há pouco tempo atrás, postei aqui algo sobre ouvir rádio, e me divertir com o que toca. Hoje não foi rádio, mas foi quase: centenas de cabeleireiros, manicures, coloristas, depiladoras e recepcionistas, todos de colar de havaiana dançando Ragatanga e o que eu ia fazer? Ficar com a cara amarrada? Altos churrascos e eu ia pagar de vegetariana? O pessoal do CT jogando todo mundo na piscina e o que eu ia fazer? Sair correndo? Não senhor. Vesti meu biquíni istáile, e lá vamos nós.
* * *
Porque, na verdade, eu sou cool pra cacete mas sei me divertir, e bem.
Aliás, eu GOSTO de me divertir. Inclusive tenho me divertido mais nessas ocasiões do que fazendo cara de conteúdo dançando músicas meio paradas no meio de gente com cara de moderna em lugares fedidos e fechados. Você não gosta de gente alegre e que realmente está se divertindo? Bom pra você.
* * *
E MAIS: "CLIMA DE RODEIO", DO DALLAS COMPANY, É MUITO FUDEROSA, E ESTAMOS CONVERSADOS. Quem gosta de rodeio bate forte com a mão.
(ah, chutei o balde, eu realmente adoro essa, fico arrepiada quando toca, altas guitarras róque - não parece aquela do Outfield, "Your Love"? - E fiddle, e aquela bateria bem marcada, sério, indies, ouçam. Estou assumindo publicamente meu lado "country girl" - mas ainda mantenho a classe citando Neil Young, hah hah)
* * *
Se bem que esse tal Ragatanga, sei não. Ah, saudades dos tempos da Macarena, era tudo mais simples. E a descoordenação motora pairou sobre nós.
* * *
Mas o pior de tudo é furar com a banda pela terceira vez, dessa vez porque eu não sei andar no Leblon, não conheço as ruas, não sei onde descer, nao entendo nada desse bairro, ainda mais à noite. Ser uma garotinha do interior é realmente uma merda.
Só pra constar: se você nunca teve a cara de pau de entrar num bingo pra jogar, está mais do que na hora. Não precisa gastar mais do que dois reais, e ainda tem a chance de ganhar alguma coisa (ahn. Não ganhamos nada, mas enfim). Porque não sei se vou chegar aos 75, então por que esperar até lá?
De qualquer forma, eu e minha querida Lila pudemos conferir a veracidade da piada "como se faz um grupo de velhinhas gritar 'merda'? É só gritar 'Bingo!'".
Outras coisas que me ocorreram agora:
- Voltar pra casa cantando The Wonders (ou insira banda de sua preferência aqui) com alguma amiga (ou amigo) pela Nossa Senhora de Copacabana (ou pela rua movimentada do seu bairro) totalmente sóbrio(a), já está na hora de parar de se levar a sério só um pouco e fazer isso; corolário: voltar pra casa à noite, mas ainda dentro do horário da lei do silêncio, tocando castanholas (ou insira instrumento portátil de sua preferência).
- Cantar o "Ultimate Evil Medley", com "Minha Fama de Mau", do Erasmo, e "Mau Mau", do Little Quail durante o banho. Pensar em tocar isso com sua banda imaginária (aquela banda que não é a sua, que só toca o que você quer).
- Se você, como eu, sofre de excesso de autocrítica, tem medo de divulgar as coisas que você produz com medo de encarar críticas negativas, passa meses pesquisando para fazer tudo dentro dos conformes e escrever o capítulo introdutório do seu livro (ou fazer A música, ou pintar O quadro, seja lá qual for sua área de atuação), e além de tudo acha que ficou bom e quer mostrar pra meio mundo porque SABE que vão gostar, hoje é realmente seu dia.
- E, como hoje é meu dia, um amigo perdido na cidade me ligou às onze da manhã; como hoje é meu dia, comprei um cd duplo de gravações da Sun Records onde os únicos clichês são "Blue Suede Shoes" (quem disser que essa é do Elvis LEVA PORRADA NA SAÍDA!!!!!) e "Matchbox", do Carl Perkins, a presença certa de Elvis Presley (com "That's Alright" e com "Mystery Train"), Jerry Lee Lewis (adivinha com o que?? O óbvio, que todo mundo conhece, "Whole Lotta Shakin' Going On"!), Roy Orbison (graças a deus, sem "Pretty Woman") e Johnny Cash & The Tennesee Two com "I walk the line" e (tesão, tesão, tesão) "Folsom Prison Blues" (Johnny Cash é irrepreensivelmente bom, amigos). O resto é total rock'n'roll roots, de rythm & blues até grupos vocais do início dos anos 50, Sonny Burgess, Billy Riley, Ed Bruce, Rufus Thomas The Jesters e mais umas paradas que nunca ouvi falar mas estou amando... da época em que ainda se misturava as bolas, não havia essa distinção tão clara entre os gêneros, e uma base de rockabilly era cantada como blues, uma base de blues era tocada com um trumpete de big band, um baixo country e - aaaahhhh - daí nasceu o rock. São 44 faixas comemorando os 50 anos da Sun Records, que lazer, que tesão, que cd foda pra um fim de noite de um sábado que, pra ser perfeito, só faltava estar longe, muito longe do Rio de Janeiro.
* * *
Uma das músicas desse cd da Sun chama-se "I'm Gonna Murder My Baby", de Pat Hare. Hare de fato foi preso por ter assassinado a namorada. Freeeaaakkk!!!
* * *
Música do dia: Doctor Ross, "The Boogie Disease".
Aliás, se liga que as Pílulas de Vida Do Dr. Ross ainda são vendidas em qualquer farmácia, em embalagens de plástico mas com o logotipo vintage original.
Pois é. Antes era minha coleção de bulas que mamãe, sabiamente, jogou fora há anos atrás. Agora tomei gosto por ítens farmacêuticos dos tempos da vovó - As Pílulas de vida do Dr. Ross ("fazem bem ao fígado de todos nós", dizia o jingle de rádio), o Dê-Dol lápis adstringente (indispensável em seu lar!), a Essência de Vida Olina e o Cloridrato de Tetracaína (cessa a dor de dente em um minuto!). Todos ilustrados com aquelas figurinhas de almanaque e diagramação da época - e de laboratórios diferentes, o que me leva a crer (será??) que finalmente descobriram que essas embalagens de remédio andam extremamente sem sal e que a melhor coisa pra passar na frente da concorrência são embalagens istáile e com cara de antigas, o que aumenta a credibilidade do produto. Fiquem vocês com os anos 2000. Eu estou feliz na minha época, um mix dos anos 10 até os 90, com predominância dos 40 e 50 - obrigada.
* * *
Façam-se um favor, baixem no Kazaa uma musiquinha chamada "Red Hot", pode ser na versão de Billy "The Kid" Emerson ou de Billy Riley (são diferentes). Ouçam e pensem na Boneca aqui, ok?

quinta-feira, novembro 07, 2002

Não é irônico...?
..quando você resolve, só de onda, dar uma espiada nesses mecanismos de busca de relacionamentos online e o único homem- solteiro- heterossexual- na sua faixa etária- buscando amizade e relacionamento casual - que não coloca Ed Motta, Lenine, Jorge Vercilo ou PRAIA em seu perfil (recém-atualizado, por sinal) - e de quebra, tudo o que o cara gosta, tirando Tolkien, você adora... é justamente O SEU EX-NAMORADO MAIS RECENTE?
Eu devia escrever, afinal, não é todo dia que você acha por aí pessoas iguais a você dando sopa em sites de almas gêmeas (e ainda mais alguém que você sabe que a química é ótima).. mas não tou a fim, sabe? Quanto mais parecido comigo, pior. Acho que vou cadastrar meu perfil no Clube Irmão Caminhoneiro e ver no que dá.
* * *
Bem, eu assino o informativo da Revista Rodeio. Deve servir pra alguma coisa.
* * *
Alguma vez você já teve a sensação de que alguém ou algo está conspirando contra você?

* * *
Aliás, minha montagem no Beautifuck ficou muito bonitinha. Vão lá ver, vão.
* * *
Teste nerd do dia
ou Teste foda do dia
ou Teste óbvio do dia
ou Teste necessário do dia:



What
lesser-known Simpsons character are you?


Brought to you by the good folks at sacwriters.com.

* * *
Também fiz o "qual cachorro de cartoon você é?" e deu o Mr. Peabody. Intelectual sabidão. Hum. Refiz. Deu o Snoopy. Ahn.. Minha esperanças de ser o Droopy ou o Ren foram para o ralo - e, bem, devo mesmo ser uma nerd amável, e não uma cadela depressiva como o Droopy e escrotaça como o Ren. Se bem que o Ren é o melhor. É, vou lá refazer essa joça mais uma vez.

quarta-feira, novembro 06, 2002

Discussão produtiva da noite: "Perfidia" fica melhor com os Ventures ou com os Shadows?
Em sua homenagem (a de alguém, de alguém), estou ouvindo The Ventures no último volume enquanto tiro a roupa do varal e ando só de calcinha pela casa nesse frio gostoso que está fazendo - eu GOSTO de frio. Morar sozinha tem dessas coisas. Como diz o meu amigo Daniel, "fazer cocô de porta aberta já não é mais desafio". Não, meu caro, o lance é deixar as janelas abertas também. Mas ainda não cheguei nesse estágio de exibicionismo, portanto se mamãe um dia ler isso, no te preocupes, madrecita. Ninguém está vendo sua filhinha rebolar e tocar airguitar, de calcinha da Mulher Maravilha, ao som de "Walk Don't Run".
* * *
O mesmo Daniel disse que perdeu seu último insanity point. Amigo, vou te dizer uma coisa, não tenho isso há muito tempo.
* * *
Título de música do mês: "Quand on est con, on est con", Georges Brassens. Não entendeu o elogio? se vira, com a ajuda das Éditions Hachette.
Me formei em francês há anos, o próximo passo é aprender japonês. Já estou progredindo e posso até ser ghostwriter do Shonen Knife. Duvida? Aguarde minha primeira letra para o Toynbee. Fernanda Takai perde!!!!
Sabe criança quando chega em casa e descobre que ganhou presente?
Ontem cheguei em casa e tinha aquele 1,2kg de seis livros do Douglas Adams encadernados num só, todos me esperando.
Me desculpem, amigos, mas não saio mais de casa tão cedo. Ok, até saio, mas com um puta sentimento de culpa por não estar devorando a saga de Arthur Dent, Ford Prefect, Zaphod Beeblebrox, Trillian e Marvin, o robô mais foda de todo o universo da ficção moderna. Então é isso, mais um motivo para eu morrer para o mundo. Obrigada pela compreensão e por favor, não se deixem abalar por isso e continuem me chamando para sair.
* * *
Da série "testes que gostaríamos de fazer":
"Que personagem de 'Alta Fidelidade' você é?"
Já fiz, ou vocês acharam que não? Eu sou o Barry, aquele cara aparentemente escroto, que acha que seu gosto musical é superior ao do resto do mundo, mas que no fundo tem um bom coração e até canta "Let's Get It On", em homenagem ao Fred Le.. quer dizer, ao Rob. Mas na verdade, na verdade mesmo, eu sou o Rob Gordon. Eu fui o Rob Gordon ontem, naquele exato momento em que ele _____________ e decide ___________________ para ____________ . O resultado? ____________ . E dormi feliz - de fato, estava com saudades de fazer merda.
* * *
Finalmente ouvi esse tal de The Hives. Não acreditem no hype: a banda é muito, mas muito boa mesmo, panquezona, os vocais à la Guitarwolf e/ou bandas garageiras 60, muito bom. Mas lá pelo final do disco, você já está com aquela sensação de "déjà-écouté", sabe?
* * *
"Everybody say she got a mojo, now she's been using that stuff
Mmmm, everybody say she got a mojo, cause she's been using that stuff
But she got a way of trimmin' down, hoo fair brown, and I mean it's most too tough"

- "Little Queen Of Spades", Robert Johnson
* * *
Da série "mais testes que gostaríamos de fazer":
Minhas irmãs estão fazendo um teste para saber qual de nós você é. E, pela segunda vez, não só sou uma das opções (um dia terei que assumir para o mundo que sou esquizofrênica mesmo e que tenho várias personalidades mesmo) como o resultado fala (de novo) da minha paixão por coisas antigas, perdidas nos anos 50, e carros, músicas e Brian Setzer, e que eu nasci na época errada. Nesse ponto, não concordo - ter nascido em 1978 me permite gostar de coisas pós-anos 70 muito legais, como punk rock, ABBA, John Waters, Madonna, bandas de cabeludos anos 80, Neusinha Brizola, John Travolta, bandas-de-nerd (Pixies, Weezer, That Dog, The Rentals), Pizzicato Five (mais anos 90 do que Pizzicato Five, impossível!) e muito mais. Quando o teste ficar pronto (o outro teste onde eu apareço como resultado foi o "Que escritor da night que tem blog você é?", que o Nix fez, mas volta e meia o link se perde), coloco o link aqui.
* * *
O que você faz quando está psicografando algo e o micro trava? Senta e chora? Nunca me expressei daquele jeito, era quase um estudo de personagem (para escrever sobre crimes, você precisa aprender a pensar como um criminoso?), tinha uma certa dose de vingancinha pessoal ali, um vocabulário que não é o meu usual, a descrição de situações que definitivamente não batem com meu mundinho aparentemente cor-de-rosa, mas que, na real, é muito mais obscuro, sombrio, paranóico e psicótico do que as pessoas conseguem ver. E daí que perdi, perdi o crime perfeito, perdi a vingancinha pessoal mais uma vez, perdi a chance de jogar na cara desses filhos da puta que eles perderam uma boa chance de.. bah, esquece. O fato é que perdi o texto mas dane-se, superei mais uma vez meus limites, e isso me faz bem.
* * *
Ahn, descobri agora.
Dei, ops, deu na Fraude.org: artigo sobre mulheres gostosas, de autoria desta que vos escreve. A propósito, obrigada, Eduf. A edição ficou bem melhor do que a original. De qualquer forma, segura o das putas da Prado Junior, porque ainda vou fazer pesquisa de campo, vestida de dominatrix, pra ver o que acontece. É, o bom repórter precisa dar a cara - ou a bunda - à tapa.

segunda-feira, novembro 04, 2002

Dica do Haroldinho: MV-Brasil.org. Esses caras sempre me surpreendem com suas, ahn, intervenções urbanas.
* * *
Inversão de papéis
- Tudo bem?
- Tudo, graças a deus. Ou, se preferir, a um esforço pessoal.

Acredito que deus tenha sido feito à imagem e semelhança do homem, e não o contrário - uma vez que deus é um conceito criado pelo homem para explicar coisas inexplicáveis relacionadas à nossa criação - e não adianta vir com esse papo de Big Bang porque nada foi provado até agora - isso se mantém inexplicável sim.
* * *
Não acredito em Adão e Eva e estou até agora procurando o Elo Perdido.
Acredito em explicações científicas, e acredito que o Reiki e os passes energéticos podem ser explicados cientificamente: tem a ver com canalização de energia, e energia é quase fácil de explicar pela teoria das Supercordas. Acredito na astrologia, porque se a atração gravitacional da Lua influi nas marés, o que dirá do nosso corpo, que é feito basicamente de água? Note que os astrólogos sempre levam em consideração o lugar e a época em que você nasceu, o que de certa forma tem a ver com seu background cultural - um exemplo grotesco é o fato de que pessoas criadas em climas frios tendem a ser distantes umas com as outras, e pessoas criadas em cidades quentes tendem a ser mais.. quentes. É um péssimo exemplo mas faz total sentido. A astrologia também leva em questão problemas de comunicação e ruídos, que podem ser facilmente explicados por alterações energéticas em nosso campo gravitacional. Assim, se alguém disser que determinado planeta em determinada casa trará problemas na sua relação com os outros, acredite.
Já acreditei em extraterrestres, e não vejo sentido na raça humana ser o único exemplo de vida inteligente no universo. No entanto, me incomoda acreditar em algo que não me dá sinais de sua existência. Nunca vi um disco voador, acho essa história de chips uma enganação, eles nunca fizeram contato. E, rapaz, você não sabe o nó que dá na minha cabeça isso de acreditar em algo que não pode ser provado.
Não acredito em coincidências nem em acaso - não me pergunte como nem por quê, acredito que tudo o que acontece é porque tem que acontecer, faz parte do curso natural das coisas, e que os mínimos acontecimentos aqui ou aí podem influenciar o universo inteiro - lembra em "Parque dos Dinossauros", quando o Jeff Goldblum explica a Teoria do Caos? É bem por aí.
Se eu disser que acredito no poder da mente, a comunidade científica vai rir. Então digo que acredito em neurolingüística, que fica tudo ok.
E além disso, acredito em mim. Não essa baboseira de "acreditar que posso vencer", mas acredito que, se eu quiser algo, não poupo esforços para conseguir. E aí você cai naquele diálogo do início do post, sobre esforço pessoal - não, estou longe de ser deus. Mas sou quase tão poderosa quanto Ele. Afinal, sou filha dele. Ou seria mãe - já que nós criamos deus à nossa imagem e semelhança etc etc etc?
* * *
Ele?
* * *
Esse post vai virar um artigo, e foi escrito ao som de "I'm a Believer", dos Monkees. Não, não foi. Mas você acreditou, não acreditou?

domingo, novembro 03, 2002

Sobre ontem à noite:
- Escrevi uma resenha foda para ser publicada na Mood, espero que a Editora de cultura aprove;
- "É igual a dar o cu, começa meio estranho mas depois vai que é uma beleza" (frase ouvida sobre um pirulito de morango com cereja);
- O show foi lindo, o lugar é ótimo, 80% dos meus melhores amigos estavam lá (os outros estão espalhados por outros estados, fica difícil);
- Ouvi várias coisas que me deixaram muito bem, e não era apenas música; aliás, ouvi de pessoas cuja opinião eu realmente prezo, pessoas que eu adoro;
- Vai ter amigo meu virando dançarino de flamenco;
- Lilaise, precisamos trocar figurinhas sobre nosso projeto editorial. Cris e Natasha estão dentro também;
- Foi ótimo juntar amigos de meios diferentes, e ver a Alexandra, a Aline, a Hilda e o André amarradões no lugar e no som;
- A banda tocará de novo daqui a duas semanas, eu acho;
- Fiquei trancada no banheiro no fim do show, e nunca pensei que um dia fosse virar uma donzela em perigo e chamar o Ranaur de "meu herói";
- Qualquer rumor sobre eu não estar sozinha no banheiro É MENTIRA, ouviu, Gabrig?;
- O "depois do show" também foi muito bom, com destaque para o "a gente se vê essa semana" "amanhã!" "que horas abre mesmo?" "às sete" "ok, estarei aqui";
- Azia por causa do croquete do Fornalha, táxi, putas e icq de madrugada.. que lazer!!! que sorriso!!! que olhos!!!
* * *
Perdi o horário da peça, mas foi por uma boa causa: Starving Bluesmen Quartet na mídia, Joséphine Baker enfim irá ganhar fãs por aqui (e eu finalmente terei assunto com as pessoas!), lapidando "Stalker" para jogar na minha página pessoal (em construção), e como tenho até as sete horas pra mim, vou desenferrujar de novo - ontem consegui a proeza de distender a perna durante o tema de "Hawaii 5.0", que rolava no som enquanto pedalava. Bem, "Sapato Musical" fica até o início de dezembro, não tenho essa urgência toda - mas ainda assim, considero imperdível.
A história?
Uma garotinha que cresce influenciada pelos filmes de Fred Astaire. Qualquer semelhança com a vida real não pode ser apenas coincidência (uma vez que elas não existem).

sábado, novembro 02, 2002





Faça você também Que
gênio-louco é você?
Uma criação de O Mundo Insano da Abyssinia


* * *
Faz algum sentido.
Alguém aí já foi no Museu Dali, a poucos kms de Barcelona? Quantas escadas que não levam a lugar nenhum - e foi todo projetado pelo próprio! Alguém aí notou que toda a sua produção artística é permeada por símbolos recorrentes (ovos, pães, tempo, sua mulher Gala)? Alguém já teve a manha de estudar a fundo a obra desse homem? Pois é.
(mais uma da série "estudante de teoria da arte é chato pra caralho")
* * *
Se bem que, Catalão por Catalão, sou fascinada pela obra de Antoni Gaudí. Esse é paixão mesmo, não tem jeito.
* * *
Música da noite, antes de ir para o show: "Something's Wrong With My Radio", Stray Cats. A letra está aqui.
Se você acompanha esse blog há algum tempo, é bem provável que já conheça a banda, de tanto que falo deles aqui. Se não conhece, dê uma sacada nas carinhas de anjo:

Pois é. Fã é outro bicho chato pra caramba.
Papai não lê meu blog. Bem, se lesse, leria um "Feliz aniversário".
* * *
Músicas da tarde: Annette Funicello (a rainha dos filmes de praia dos anos 60) cantando "Jamaica Ska", "Christmas Celebration" com o Weezer (atenção, Shade, já tenho 200mb de mp3 de pop-rock natalino, e tende a aumentar), "Who put the bop in the bop in the bop she bop", do fabuloso Eddie Bopper, "Oi to the world" com o No Doubt e "Cachorrinho", da Kelly Key, porque ninguém é de ferro. E aproveito que o sol não está tão forte e vou andar de bicicleta que hoje à noite tem show de blues no Pub - e como eu não sou de ferro mas estou enferrujando, vou cuidar disso é já e sair com minha Olympus Trip 35 que era de vovô para fotografar o Rio de Janeiro à tardinha. Coisa mais linda, essa cidade onde moro, coisa mais linda meus amigos, coisa mais linda punk rock natalino, coisa mais linda os anos 50/60, coisa mais linda meu conto novo, "Stalker", coisa mais linda estar feliz.
* * *
Da série: "Por que eu adoro a minha colega Bete":
Voc%EA%20cozinha%2C%20lava%20e%20passa%20que%20%E9%20um%20primor.%20Cuida%20dos%20filho%2C%20furunfa%20e%20dorme.%20Voc%EA%20precisa%20saber%20equilibrar%20tudo%20isso%20com%20um%20pouco%20de%20divers%E3o%20e%20cuidados%20com%20si%20mesma.%20Que%20tal%20u
Que tipo de dona-de-casa voce e?

brought to you by Quizilla
E o texto qe vem junto é esse aqui, ó:
Dona-de-casa a moda antiga: Voce cozinha, lava e passa que e um primor. Cuida dos filho, furunfa e dorme. Voce precisa saber equilibrar tudo isso com um pouco de diversao e cuidados com si mesma. Que tal um curso de macrame?
Genial.
* * *
Música da semana: "Top top", Mutantes. É, quando eu digo que estou passando pelas mesmas crises de valores que passei aos 18 anos, ninguém acredita.

sexta-feira, novembro 01, 2002

Nerd que é nerd não tem problemas em casa ou Vida de dona de casa é foda
Então ontem cheguei toda pimpona, fiz uso da toilette, apertei a descarga e nada de água. Necas. Niente. Tinha água no chuveirinho, na pia, no chuveiro, na cozinha. Lógico que o problema só podia ser da bomba.
O google me socorreu: "bombeiro+hidráulico+RJ", "how+to+fix+toilet+flush" e "modelos+descarga". Abri tudo, vi que a válvula era da DOCOL, descobri o site deles e saí vasculhando. Lá eles têm uma seção de problemas freqüentes, e vi que o meu problema (água não sai) poderia ser facilmente resolvido.. mas eu já havia tentado rodar o registro interno e nada.
Até descobrir que sim, era possível que o condomínio fechasse só a saída da descarga - como de fato o fizeram - e que sim, era possível que ninguém tivesse me avisado nada, demorou. Malditas obras no Guandu!
O que importa é que, mais uma vez, o espírito punk de Do It Yourself reinou lá em casa, importa que talvez eu nunca mais precise de um bombeiro hidráulico (porque nerd que é nerd estuda o mapa das instalações do apartamento antes de fazer qualquer movimento), importa é que aprendi mais um skill que pode me render pontos depois, importa que consegui superar mais essa.
Sabe, parece besteira, mas descarga é problema de saneamento básico - não por acaso, livros sérios de história consideram a invenção do sistema de esgotos e encanamento uma virada significativa na história do mundo - foi quando acabaram as pestes, a expectativa de vida nos países europeus subiu consideravelmente e a noçao de higiene tal qual a conhecemos surgiu daí.
É. Mas uma da série "Boneca também é cultura".
* * *
O fato de que interpretará uma mão-leve de lojas de departamento em seu próximo filme não dá a Wynona Ryder o direito de pegar 5.000 dólares em mercadorias e ainda por cima ser inocentada no julgamento, ou dá?
* * *
Estou doida para ver esse filme novo do Almodovar, mas acho Caetano Veloso cantando "Cucurucucu Paloma" totalmente dispensável.
Este site está em novo endereço: visite www.liaamancio.com.br para novidades e updates!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...