Este site está em novo endereço: visite www.liaamancio.com.br para novidades e updates!

quarta-feira, março 16, 2011

Micropagamento é micro pra quem?

Rio Content Market. O nome já diz tudo, o conteúdo IMPERA no evento de todas as formas, em todas as mídias possíveis, vindo de vários lugares, para agradar a vários públicos diferentes.

Mas uma coisa está me chamando atenção: vários palestrantes falam do MICROPAGAMENTO, o que parece ser a grande tendência para o conteúdo, agora que todo mundo sabe que ele circula livremente online e em dispositivos móveis, todo mundo sabe que ele é compartilhado de um dispositivo para o outro e todo mundo espera que o autor seja remunerado pelo que cria. Então é bom alguém pagar por ele.

Quando o conteúdo é grátis, a gente já sabe que ele não é totalmente grátis, certo? Quer dizer, ele é grátis para o consumidor/espectador, mas é um esquema muito parecido com o da televisão: a receita vem dos anúncios e o veículo precisa ter um conteúdo muito bom para atrair mais e mais audiência para aquele anúncio. Quando digo 'muito bom', quero dizer 'muito bom para o público alvo daquele anunciante', senão o anúncio não dá retorno e o anunciante para de anunciar. Tem também o conteúdo produzido especialmente como mídia para a veiculação de alguma marca específica, é o tal do branded content. Não é mistério algum.

O mistério está nos tais micropagamentos.

Não faltam sistemas seguros, como o PagSeguro ou o PayPal. Isso é o de menos. A questão é que o que é micro pra você pode não ser para quem cobra.

O que é um preço justo para assistir a um filme online, por exemplo? Eu, particularmente, acho os US$1 ou US$2 do Mubi justíssimos. Tenho vergonha de baixar um filme, podendo pagar menos de 4 reais para assistir em casa, sendo que eu e marido podemos ver, e alguém será remunerado por isso. O Terra TV, passou 'Inception' a R$4,90. Gente, é um lançamento! Gente, é mais barato do que locadora! Gente, eles são muito claros quanto à divisão desses R$4,90: uma parte vai para eles, que disponibilizam a infraestrutura de exibição, e outra parte vai direto para os detentores dos direitos (pra que ECAD, não é, minha gente?). Já os 70 reais para assistir a 7 filmes da franquia Harry Potter, eu me recuso: dez pilas por filme? Sai mais barato pegar em locadora que, ainda assim, sai caro. Ou seja, quero não. Aí você já sabe o que acontece. Simples assim.

Longe de mim achar que os micropagamentos estão fadados ao fracasso. Pelo contrário. Acho que se for micro MESMO, e se houver transparência no destino dos valores, o consumidor paga.

E você? O que acha? Quanto vale um filme online pra você?



Posts relacionados:

7 comentários:

Marcos disse...

Onde tu tava, que não te vi? Ok, eu tava sem óculos.

Ahn, acho que é mais ou menos o que aquele manifesto pedia. Metade do ingresso de cinema por um lançamento tá razoável. Garantidas a qualidade da cópia e a largura da banda.

Cid disse...

O ECAD vai cobrar o dele

Paulo Torres disse...

No caso de filmes e seriados, vai acabar valendo a praticidade. Para assistir um filme pirata, preciso encontrar o torrent do filme em qualidade razoável e uma legenda sincronizada com esse torrent - o que acontece em dois cliques com o Glee dessa semana, mas é bem complicado, quando se fala de filmes mais obscuros tipo o "UHF" do Weird Al Yankovic, ou nem tão obscuros como o Anos Incríveis. Muitas vezes é necessário sincronizar a legenda na unha.

Ninguém se daria a esse trabalho se encontrasse tudo isso legalizado, disponível, em formatos universalmente compatíveis e a preços de locadora - cincão cada filme, e tipo R$10 ou R$15 pra temporada completa de seriado.

Rodolfo BOImarinho disse...

UHF com a presença do "Cosmo Kramer"... boa dica!

Micropagamento é o futuro da videolocadora. Acho o máximo tanto para quem mora em cidade pequena quanto para quem não tem mais uma locadora razoável sequer no bairro principalmente para filmes antigos.

Se a banda larga chegar com qualidade nas cidades pequenas isto vai salvar a vida de muita gente.

Não tenho vergonha de baixar e ver filmes "na faixa" pois boa parte eu não encontro em lugar algum, como filmes orientais ou tosquices como o vingador tóxico.

A questão é ter um parâmetro de preços e um site de qualidade com conteúdo. Não assisto quase nada com legenda e odeio ver os milhões de erros de pt que vem embutidos nas mesmas.

Paguei 15 pratas no dvd do labirinto em uma banca de jornal e 60 no cd da trilha sonora. Isto sim desestimula a ter conteúdo legalizado.

Ótimo texto, como sempre. Volta e meia passo aqui e fico lendo os posts antigos.

Lia disse...

Marcos: já te achei, haha!

CidAmordeMiBida: sim. Existe uma tendência para que haja cobrança de direitos autorais, como existe em alguns países, diretamente no serviço de pagamento de provedor de acesso. Mas, ao mesmo tempo, se a proposta é dividir os lucros diretamente com o detentor dos direitos da obra, ele que se vire para repassar entre os autores (produtor, diretor, roteirista e autor da trilha), né não?

Lia disse...

Paulo e Rodolfo: é, é complicado. Mas são justamente esses filmes mais obscuros que são um fiasco no cinema e encontrariam seu público altamente nicho na internet.

E é aquilo que todos concordamos: se fosse barato e houvesse a garantia do repasse para o autor, a gente pagava - mesmo que fosse o vingador tóxico. Tenho certeza.

Paulo Torres disse...

PRINCIPALMENTE para o Vingador Tóxico! Aiás, a Troma já vende cópias digitais de alguns de seus filmes, mas não dos mais famosos :P

https://buy.tromamovies.com/index.php?cPath=1_22&osCsid=ggcsft3dt3tur0qiuj6jnsctr1

Este site está em novo endereço: visite www.liaamancio.com.br para novidades e updates!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...