Este site está em novo endereço: visite www.liaamancio.com.br para novidades e updates!

sexta-feira, julho 23, 2004

O Velvet Underground é uma banda estranha. Uma banda punk muito antes de se ouvir falar em punk, tanto nos temas (coisas undergrounds até para os loucos anos 60, como sadomasoquismo e drogas pesadas não exatamente lisérgicas, que as pessoas praticavam/usavam mas não cantavam como se fosse a coisa mais comum do mundo) como na estrutura 'DOIS' acordes e total falta de técnica dos integrantes na época, o que provava que qualquer um podia fazer rock - cabe a Brian Eno a máxima de que todo mundo que comprou o primeiro disco do Velvet acabou montando sua própria banda - e, de fato, muitas das coisas que você gosta, incluindo David Bowie, foram influenciadas pelos novaiorquinos - ah, sim, Sterling Morrison era texano. Whatever.
Muito longe de ser uma dessas bandas que tocam sempre o mesmo tipo de música, num mesmo disco do Velvet Underground você encontra de rocks vigorosos a sons que dão vontade de cortar os pulsos, passando por faixas esquisitonas - todas consideradas geniais por muita gente de respeito por aí, afinal, Velvet Underground era o ego gigante de Lou Reed, amparado por John Cale/ Doug Yule, Sterling Morrison e Maureen Tucker e, em apenas um porém significativo disco, a classe alemã e a voz grave da modelosa Nico - que, dizem, foi pivô de algumas brigas na banda. Afinal, ela foi
colocada lá não por seu talento como cantora (inexistente, apesar da voz bonita), mas por ser a bonitona querida do momento do padrinho Andy Warhol.
E, com uma história um tanto conturbada, ninguém nunca presta atenção na última faixa do disco 'The Velvet Underground', de 1968. "After Hours" (1MB) leva a voz doce da baterista fofa Moe Tucker por cima de uma guitarrinha e um baixo pureza. Essa é a música do dia, algo completamente diferente de tudo o que se convencionou chamar de 'Velvet Underground', em loop no aparelho de som (e grudada na cabeça daquele jeitinho que só sai se entrar outra tão catchy quanto).

After Hours
(Reed)
(one, two, three)
If you close the door the night could last forever
Leave the sunshine out and say hello to never
All the people are dancing and they're having such fun
I wish it could happen to me
But if you close the door I'd never have to see the day again

If you close the door the night could last forever
Leave the wine-glass out and drink a toast to never
Oh, someday I know someone will look into my eyes
And say hello... you're my very special one
But if you close the door I'd never have to see the day again

Dark party bars, shiny Cadillac cars and the people on subways and trains
Looking gray in the rain, as they stand disarrayed oh, but people look well in the dark

And if you close the door the night could last forever
Leave the sunshine out and say hello to never
All the people are dancing and they're having such fun
I wish it could happen to me
Cause if you close the door I'd never have to see the day again
I'd never have to see the day again, once more
I'd never have to see the day again

Nenhum comentário:

Este site está em novo endereço: visite www.liaamancio.com.br para novidades e updates!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...